Temer afirma que não é candidato à Presidência | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 23.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Temer afirma que não é candidato à Presidência

Presidente nega intenções eleitorais na intervenção federal na segurança pública do Rio e afirma que, se ela não der certo, foi o seu governo que errou, e não as Forças Armadas.

Michel Temer em Brasília

Temer: "Se não der certo, não deu certo o governo, porque o comandante supremo das Forças Armadas é o presidente"

O presidente Michel Temer negou nesta sexta-feira (23/02) que a intervenção federal na segurança pública no Rio de Janeiro tenha fundo eleitoral. "É uma jogada de mestre, mas não é eleitoral", disse à Rádio Bandeirantes. Ele também negou que pretende ser candidato à Presidência em outubro.

Leia mais: Intervenção às pressas no Rio gera dúvidas sobre intenção e eficácia

Temer chegou ao poder em maio de 2016, quando, na qualidade de vice-presidente, substituiu a então presidente Dilma Rousseff, destituída pelo Congresso.

Na entrevista, Temer afirmou que, se a intervenção federal no Rio de Janeiro não der certo, o governo dele não deu certo. Ele acrescentou ter absoluta convicção de que dará certo. "É um jogo de alto risco, mas é um jogo necessário."

"Se não der certo, não deu certo o governo, porque o comandante supremo das Forças Armadas é o presidente da República. De modo que as Forças Armadas nada mais fizeram do que obedecer o comando do seu comandante supremo. Se não der certo, foi o governo que errou, não foram as Forças Armadas", declarou Temer.

Na entrevista, Temer disse que o governo federal chegou a cogitar uma intervenção total no Rio de Janeiro. Mas, segundo o presidente, a medida era muito radical e, por isso, foi descartada. Temer disse que, numa intervenção total, o governador pode ser afastado. "Foi cogitado num primeiro momento, mas logo afastei a ideia por que seria uma coisa muito radical, e logo refutei. E refutando ficamos com a conclusão de que deveríamos intervir na área da segurança pública e no sistema penitenciário."

Temer disse que ele e ministros conversaram com o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, que concordou com a intervenção na área de segurança pública. O presidente destacou que não se trata de uma intervenção militar, mas civil e administrativa.

AS/abr/efe

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais