″Talvez precisemos fazer mais″, diz Trump após massacres | Notícias internacionais e análises | DW | 05.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Estados Unidos

"Talvez precisemos fazer mais", diz Trump após massacres

Em meio a fortes críticas, presidente americano condena ataques em El Paso e Dayton e diz que atiradores tinham problemas mentais. Oposição culpa Trump pelo clima de ódio no país após declarações consideradas racistas.

Trump, acompanhado de sua esposa Melania, fala sobre os ataques antes de embarcar para Washington

Trump, acompanhado de sua esposa Melania, fala sobre os ataques antes de embarcar para Washington

Após ser fortemente criticado na sequência de dois massacres a tiros ocorridos no fim de semana nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump se manifestou sobre o ocorrido neste domingo (04/08), horas após os incidentes que deixaram 29 mortos. Após se defender afirmando que seu governo já fez muito para impedir ataques, ele admitiu que talvez seja preciso fazer mais.

"O ódio não tem lugar no nosso país", afirmou o republicano perante as câmeras, após deixar seu campo de golfe em Nova Jersey para retornar a Washington. Até então, ele havia apenas publicado uma confusa série de tuítes expressando apoio às vítimas, ao mesmo tempo em que promovia uma luta de MMA e lançava críticas a seus adversários políticos.

massacre em um supermercado Walmart em El Paso, no Texas, matou ao menos 20 pessoas no sábado. Outro ataque ocorrido horas mais tarde numa área de vida noturna em Dayton, Ohio, deixou mais nove vítimas.

Os indícios de que o ataque no Texas teria motivação racial levou opositores democratas a jogarem a culpa sobre a retórica anti-imigração de Trump que, segundo afirmam, fomenta um clima de ódio e de violência contra os migrantes.

Em seu pronunciamento, o presidente tentou se defender das críticas dizendo que seu governo tem feito mais do que os de seus antecessores para lidar com a questão, mesmo após a série de ataques no país. "Fizemos muito mais do que os outros governos", afirmou, sem dar exemplos. "Fizemos muito, na verdade. Mas talvez precisemos fazer ainda mais."

Trump ignorou perguntas sobre um manifesto anti-imigração escrito pelo atirador de El Paso, cuja linguagem se assemelha à retórica que ele mesmo utiliza, e evitou mencionar a controvérsia sobre as leis de armas no país.

Ele ainda atribuiu os massacres a uma combinação entre ódio e problemas mentais, afirmando que, em ambos os casos do fim de semana, os atiradores são pessoas "com doenças mentais muito graves".

Também ressaltou que esse problema já ocorre há muitos anos: "Temos que acabar com isso", afirmou. Antes, no Twiter, ele havia dito que os massacres foram "atos de covardia".

Imagens de câmeras de segurança mostram o atirador de El Paso. Ataque teria motivação racista

Imagens de câmeras de segurança mostram o atirador de El Paso. Ataque teria motivação racista

Os pré-candidatos do Partido Democrata – que concorrem à indicação da legenda para disputar as eleições presidenciais contra Trump em 2020 – acusaram o presidente de incitar tensões raciais no país e reforçaram os pedidos por leis mais rígidas sobre o porte de armas.

O senador Bernie Sanders, um dos favoritos para a disputa presidencial, foi firme em sua crítica. "Não sinto nenhum prazer em dizer isso, mas acho que todas as evidências sugerem que temos um presidente que é racista, que é xenófobo e que apela, e está tentando apelar, para o nacionalismo branco", disse o democrata à emissora CNN.

Sanders também usou o Twitter para condenar a "retórica racista, odiosa e anti-imigração" do presidente republicano. "Sua linguagem cria um clima que encoraja extremistas violentos", escreveu o senador no domingo.

Nas últimas semanas, Trump lancou uma série de tuítes racistas contra um grupo de congressistas democratas cujas origens remetem a outras nações. Além disso, ele frequentemente denuncia o que chama de uma "invasão" de migrantes através da fronteira com o México e já foi acusado várias vezes de ser leniente em relação a grupos que defendem a supremacia branca no país.

Sua estratégia para ser reeleito em 2020 coloca as tensões racias no centro do debate, como forma de ativar sua base de apoio entre os conservadores. Os massacres em El Paso e Dayton, porém, podem pôr em xeque essa tática de campanha.

Os investigadores em El Paso ainda avaliam se o ataque teria sido um crime de ódio, após o surgimento de um texto de conteúdo racista e anti-imigração postado online pouco antes do ataque. A polícia examina se o autor do texto é o mesmo homem suspeito de ser o atirador, que está sob custódia das autoridades.

O suspeito foi identificado como Patrick Crusius, um jovem de 21 anos da cidade de Dallas. A Promotoria Pública do estado disse que trata o caso como terrorismo doméstico e que buscará a pena de morte para o suspeito. O FBI disse, em nota, que o ataque "sublinha a contínua ameaça imposta por extremistas domésticos violentos e perpetradores de crimes de ódio".

RC/ap/rtr

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais