Suspensa em parte proibição de ingresso nos EUA para certos refugiados | Notícias internacionais e análises | DW | 24.12.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Estados Unidos

Suspensa em parte proibição de ingresso nos EUA para certos refugiados

Países afetados por medida de Trump são sobretudo de maioria muçulmana e da África ou Oriente Médio. Juiz colocou os direitos humanos dos migrantes acima se considerações de segurança nacional.

Passageiras do Oriente Médio chegam ao Aeroporto Internacional de Los Angeles

Passageiras do Oriente Médio chegam ao Aeroporto Internacional de Los Angeles

Um juiz federal de Seattle, no estado de Washington, suspendeu parcialmente a proibição, promovida pelo presidente Donald Trump, da entrada nos Estados Unidos de certos refugiados procedentes de países de maioria muçulmana, argumentando que a regra impede a reunião dos viajantes com familiares que vivem de forma legal no território americano.

A decisão foi anunciada na noite de sábado (23/12) pelo juiz James Robart, após escutar os argumentos de duas organizações de proteção dos direitos civis, a União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU) e o Serviço da Família Judaica.

Assistir ao vídeo 01:29

Rússia reage ao novo plano de segurança dos Estados Unidos

As associações alegaram que a proibição de Trump causa danos irreparáveis às famílias, além de pôr certos indivíduos em risco. Segundo os advogados do governo, em contrapartida, a medida seria necessária para proteger a segurança nacional.

Robart ordenou que o governo federal continue o processo de admissão de certas solicitações de refugiados, ressaltando sua aplicação "a cidadãos com uma relação real com uma pessoa ou entidade dos EUA". O veredicto é mais uma derrota judicial para a administração Trump.

No fim de outubro, o republicano vetou a entrada de refugiados procedentes de 11 países – Coreia do Norte, Egito, Iêmen, Irã, Iraque, Líbia, Mali, Síria, Somália, Sudão do Sul e Sudão –, sobretudo de maioria islâmica e situados na África e no Oriente Médio, à espera de uma revisão de segurança de 90 dias.

Desde que assumiu a Casa Branca, Trump criticou as leis migratórias e de refugiados dos EUA e prometeu reforçar os requisitos para ingressar e conseguir a residência legal no país, sobretudo para os provenientes de países predominantemente muçulmanos.

AV/efe,afp,rtr

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados