Suspeito de terrorismo comprou material para bomba na Amazon | Notícias internacionais e análises | DW | 04.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Suspeito de terrorismo comprou material para bomba na Amazon

Jovem sírio comprou produtos químicos para fabricação de explosivos na loja online, afirma revista "Der Spiegel". Polícia critica algoritmo que sugere mais produtos perigosos a quem já comprou um.

O sírio Yamen A., que foi detido em Schwerin e é acusado de planejar um atentado terrorista, comprou o material para fabricar explosivos na popular loja online Amazon, afirmou neste sábado (04/11) a revista Der Spiegel. Segundo o semanário, o jovem de 19 anos começou a comprar produtos químicos utilizados na fabricação do explosivo TATP no último verão europeu.

Yamen A. foi detido em Schwerin por uma unidade especial da polícia alemã, nesta terça-feira. Segundo os investigadores, ele decidiu em julho passado que iria "explodir uma bomba na Alemanha, em meio a uma grande concentração de pessoas, e assim matar e ferir o maior número possível de pessoas". Ele ainda não teria, porém, escolhido seu alvo.

Segundo a Spiegel, terroristas já compraram várias vezes material para fabricar bombas na Amazon. Os jovens que explodiram uma bomba num templo Sikh de Essen, em abril de 2016, compraram vários quilos de produtos químicos no site. Também Jaber al-Bakr, que é acusado de planejar um atentado no aeroporto de Tegel, em Berlim, e se suicidou na prisão, em Leipzig, teria comprado material para fabricar TATP na loja online.

A Amazon comunicou que colabora com as investigações da polícia e, "diante dos novos acontecimentos", fez alterações no seu site para garantir que produtos sejam apresentados da forma apropriada. A declaração se refere a uma crítica da polícia ao algoritmo do site, que, na seção "Clientes que compraram este produto também compraram...", sugeria novos materiais perigosos a quem já tivesse comprado um.

AS/afp/dpa

Leia mais