Suposto jihadista mata casal de policiais na França | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 14.06.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Suposto jihadista mata casal de policiais na França

Suspeito de ligação com "Estado Islâmico" esfaqueia chefe de polícia e esposa no subúrbio de Paris. Presidente francês classifica ato como terrorista e diz que país sofre ameaça "significativa".

Assistir ao vídeo 01:17
Ao vivo agora
01:17 min

Polícia investiga conexão do assassino com o "Estado Islâmico"

A polícia francesa matou na noite desta segunda-feira (13/06) um homem que esfaqueou um chefe de polícia e sua mulher, também policial, no subúrbio de Paris. As autoridades abriram uma investigação para apurar se o crime tem relação com o grupo extremista "Estado Islâmico" (EI).

O presidente francês, François Hollande, disse que o ataque foi "incontestavelmente um ato terrorista" e o classificou como "odioso".

"Luz será lançada sobre as circunstâncias deste drama abominável cuja investigação irá determinar a natureza exata", disse Hollande em comunicado. "A França está enfrentando uma ameaça terrorista muito significativa."

O ataque ocorreu em frente à casa onde o casal vivia em Magnanville, a 55 quilômetros da capital francesa. Depois de matar o policial, de 42 anos, o homem entrou na casa e fez a mulher e o filho da vítima reféns.

Depois de horas de negociações frustradas, policiais de elite entraram na casa e mataram o suspeito com um tiro.

O porta-voz do Ministério do Interior, Pierre-Henry Brandet, informou que a polícia conseguiu resgatar o menino de três anos, mas encontrou o policial e a mulher dele mortos.

Ligação com o EI

A agência de notícias Amaq, porta-voz do EI, noticiou o ataque. "Combatente do Estado Islâmico mata vice-chefe da delegacia de polícia da cidade de Les Mureaux [vizinha a Magnanville] e sua esposa", escreveu a agência em seu site, segundo o grupo de inteligência SITE.

Se a informação for confirmada, esse seria o primeiro ataque na França desde que foi decretado estado de emergência após os ataques de novembro do ano passado em Paris, que deixaram 130 mortos.

O homem foi identificado como Larossi Abbala, de 25 anos, que chegou a recrutar jihadistas no Paquistão. Abbala vivia em Mantes-la-Jolie, também no subúrbio de Paris. Em 2013, ele foi condenado a três anos de prisão por associação a organização terrorista.

O ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, disse que mais de cem pessoas suspeitas de terem ligação com terrorismo foram presas neste ano na França.

KG/ap/afp

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados