Strauss-Kahn é acusado de cumplicidade em esquema de prostituição | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 27.03.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Strauss-Kahn é acusado de cumplicidade em esquema de prostituição

Após pagar fiança de 100 mil euros, ex-diretor-gerente do FMI foi liberado e permanece em liberdade condicional. Ele reconhece ter participado de festas com mulheres, mas diz que não sabia que elas eram prostitutas.

O ex-diretor-gerente do FMI Dominique Strauss-Kahn, de 62 anos, foi acusado nesta segunda-feira (26/03) de envolvimento numa rede de prostituição que recrutava mulheres para clientes de alto poder aquisitivo.

A acusação partiu dos juízes encarregados do chamado caso do hotel Carlton, em Lille, no norte da França, segundo advogados de Strauss-Kahn. "Ele declara firmemente não ser culpado de nenhum desses fatos e de sequer suspeitar de que as mulheres em questão pudessem ser prostitutas", afirmou um dos advogados de Strauss-Kahn.

O procurador de Lille anunciou que Strauss-Kahn foi posto em liberdade condicional após o pagamento de uma fiança de 100 mil euros. O depoimento de Strauss-Kahn começou no início da tarde. O ex-diretor-gerente do FMI e ex-ministro das Finanças da França saiu do Palácio da Justiça de Lille às 22h locais.

Os advogados de Strauss-Kahn anunciaram que vão pedir a anulação da decisão do tribunal de manter o controle judicial sobre o acusado. Segundo um dos advogados, "é incompreensível e contrário ao senso comum utilizar noções de rede organizada para uma simples atividade libertina".

A prostituição em si não é ilegal na França, mas os promotores buscam provas de que Strauss-Kahn sabia que as festas eram realizadas por uma rede organizada de cafetinagem. Vários empresários e policiais em Lille foram acusados de fazer parte da rede.

Festas de teor sexual

O ex-ministro socialista responde pelas acusações de "cumplicidade em rede organizada de proxenetismo" e "abuso de bens sociais". Se for condenado, a pena pode chegar a 20 anos de prisão.

Strauss-Kahn é acusado de ter participado em várias festas de teor sexual organizadas por amigos e por dois empresários da região norte de França. As festas aconteceram em várias cidades, incluindo Paris, Bruxelas e Washington.

O ex-diretor-gerente do FMI admite ter participado dessas festas. Os juízes procuram determinar se ele sabia que as mulheres eram prostitutas, o que ele nega. Algumas delas disseram que não havia como ignorar essa informação.

As acusações contra Strauss-Kahn surgiram depois do escândalo em um hotel de Nova York, quando a camareira Nafissatou Diallo acusou Strauss-Kahn de tê-la atacado no ano passado, o que o levou a renunciar ao cargo à frente do FMI.

AS/lusa/afp
Revisão: Francis França