STF adia análise de pedido de liberdade de Lula | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 24.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

STF adia análise de pedido de liberdade de Lula

Segunda Turma retira da pauta desta terça-feira o julgamento de suspeição de Sergio Moro no caso do tríplex no Guarujá, e análise deve ficar para o segundo semestre. Defesa alega que ex-juiz foi parcial no processo.

O ex-presidente Lula

Preso desde abril de 2018, Lula pede anulação de seu julgamento no caso do tríplex

O Supremo Tribunal Federal (STF) adiou o julgamento de um pedido de liberdade feito pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que estava originalmente agendado para esta terça-feira (25/06). Com isso, a análise do caso deve ficar para o segundo semestre.

No habeas corpus a ser apreciado, a defesa pede a anulação do julgamento do petista no caso do tríplex no Guarujá – que resultou em sua condenação e prisão –, alegando que o então juiz Sergio Moro agiu com parcialidade ao longo do processo.

O julgamento do pedido era o último de uma lista de 12 itens que deveriam ser analisados pela Segunda Turma do Supremo nesta terça-feira, o que já tinha criado a expectativa de que não haveria tempo hábil para julgar o caso no mesmo dia.

Segundo a imprensa, a presidente da Segunda Turma, Cármen Lúcia, teria retirado o item da pauta nesta segunda, sem informar o motivo ou uma nova data. Posteriormente, ela divulgou nota de esclarecimento, afirmando que assumiria a Presidência da Segunda Turma somente a partir desta terça-feira e que, portanto, não incluiu nem excluiu processos para a sessão deste dia.

Como a sessão desta terça-feira será a última da Segunda Turma antes do recesso de julho, se o adiamento for confirmado, o julgamento do caso deve ser remarcado apenas a partir de agosto.

Os ministros começaram a analisar o habeas corpus de Lula no ano passado, e dois deles já votaram: o relator da Operação Lava Jato, Edson Fachin, e Cármen Lúcia, ambos contra a libertação do ex-presidente. Gilmar Mendes fez um pedido de vista, e o julgamento foi interrompido. Ainda faltam votar, além dele, os ministros Celso de Mello e Ricardo Lewandowski.

Mais cedo nesta segunda-feira, antes do adiamento da análise e diante da expectativa de que o julgamento não aconteceria, a defesa de Lula entrou com um pedido para que o habeas corpus fosse apreciado ainda nesta terça-feira.

Os advogados do petista pediram que a Segunda Turma seguisse as prioridades previstas no regimento interno, já que solicitações de habeas corpus estão entre as consideradas prioritárias. Eles argumentaram ainda que o petista está preso há 443 dias e, por isso, o pedido deveria ser apreciado antes do recesso do Supremo.

No Twitter nesta segunda, Lula afirmou que, com Moro, ele nunca teve "um processo e um julgamento justos". "Tudo que espero é que a justiça finalmente seja feita. Quero é ter direito a um julgamento justo, por um juiz imparcial, para poder demonstrar com fatos que sou inocente. Quero ser julgado dentro do processo legal, com base em provas, e não em convicções", escreveu.

O pedido de suspeição de Moro foi feito pela defesa antes da revelação, pelo site The Intercept Brasil, de mensagens trocadas entre o então juiz e procuradores da Lava Jato. Alguns diálogos levantaram questionamentos éticos sobre a conduta de Moro ao longo da operação e possíveis ilegalidades em seu relacionamento com a força-tarefa.

O escândalo reforçou o argumento da defesa de que o atual ministro da Justiça agiu com imparcialidade enquanto julgou o petista, e os advogados apresentaram novos memoriais ao STF informando oficialmente o caso.

Lula foi condenado no caso do tríplex no Guarujá em primeira instância em 2017, por Moro, e teve sua condenação confirmada em segunda instância no ano seguinte. Ele começou a cumprir a pena em 7 de abril de 2018 na carceragem da Polícia Federal em Curitiba, onde está preso até hoje. Em abril deste ano, o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) manteve a condenação, mas reduziu a pena de 12 anos e um mês de prisão para 8 anos, 10 meses e 20 dias.

Em fevereiro de 2019, o ex-presidente foi novamente condenado, a 12 anos e 11 meses de prisão, por corrupção e lavagem de dinheiro na ação penal sobre as reformas realizadas num sítio em Atibaia, no interior de São Paulo. A condenação foi em primeira instância, e, portanto, a pena ainda não está sendo cumprida.

EK/ots

____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais