SPD sai vencedor das negociações com Merkel | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 08.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Coluna Zeitgeist

SPD sai vencedor das negociações com Merkel

Derrotado nas urnas, Partido Social-Democrata consegue resultado surpreendente nas negociações para formação de governo na Alemanha, ficando com três ministérios de peso. Na CDU, desconforto é evidente.

Martin Schulz e Andrea Nahles

Schulz e Nahles defendem o acordo com os conservadores em entrevista conjunta em Berlim

As árduas e longas negociações para a formação de uma coalizão de governo na Alemanha, encerradas nesta quarta-feira (07/02), resultaram numa inversão curiosa: o partido vencedor nas urnas saiu perdedor das negociações, e o derrotado nas urnas foi o vitorioso na constituição do governo.

Pois o Partido Social-Democrata (SPD), que havia alcançado meros 20,5% dos votos em 24 de setembro, abocanhou três grandes ministérios: Finanças; Exterior; e Trabalho e Social. A União Democrata Cristã (CDU), então vitoriosa com 33% dos votos, não levou nenhum ministério de peso.

Leia também:

A crise da social-democracia europeia

Opinião: Quarto mandato custou caro para Merkel

Kevin Kühnert, o jovem que desafia Schulz e Merkel

Essa situação deixa claro o quanto Angela Merkel precisava do SPD – na verdade ainda precisa, pois os mais de 460 mil filiados do partido ainda podem rejeitar o acordo alcançado em votação. O SPD também precisava de Merkel, pois a outra opção seria uma nova eleição, que poderia resultar em perda de votos ainda maior, com o partido provavelmente ficando abaixo dos 20%.

Só que Merkel precisava ainda mais do SPD do que o SPD dela – sem os social-democratas, dificilmente haverá um quarto mandato. Nem mesmo estava certo se ela seria a candidata à chanceler federal numa eventual nova eleição, diante do crescente enfraquecimento interno e das críticas cada vez menos tímidas.

Um fracasso nas negociação com o SPD seria uma nova derrota numa já longa lista de reveses para a chanceler, aos olhos do próprio partido. Essa lista começa com o desconforto gerado dentro da CDU pela abertura das fronteiras aos refugiados. Segue com a queda de 8,5 pontos e o crescimento da AfD na eleição de 2017, quando Merkel declarou que não sabia o que poderia ter feito diferente. E continua com o fracasso na conduções das primeiras negociações de formação de coalizão, com liberais e verdes.

Um novo fracasso, desta vez nas negociações com o SPD, praticamente enterraria as pretensões de Merkel de voltar à Chancelaria Federal. A ironia da história é que, tendo que pagar um alto preço para conseguir fechar um acordo de coalizão, Merkel acumulou uma nova derrota aos olhos do partido, que agora está insatisfeito com a distribuição de ministérios ao SPD e também à aliada União Social Cristã (CSU).

Assim, Merkel começará este quarto mandato – se ele realmente sair do papel – ainda mais enfraquecida internamente, e a revolta contra ela deve se tornar cada vez mais visível – e audível. Na imprensa conservadora, o desagrado era evidente nesta quinta-feira: "Liquidação da Merkel – o SPD vence as negociações de coalizão, e a CSU é vice. Os restos ficam para a CDU", escreveu o Frankfurter Allgemeine Zeitung.

Já o SPD enfrenta a situação oposta. De grande derrotado nas urnas e moral baixa, o partido conseguiu sair fortalecido das negociações. Além dos três ministérios de pesos, conseguiu deixar suas marcas no acordo de coalizão em pontos fundamentais para os social-democratas, como emprego e aposentadorias. Sindicatos elogiaram o acordo. A indústria criticou.

A jornada de negociações também mostrou que no SPD despontam lideranças para o futuro. Com Andrea Nahles, os social-democratas têm uma forte candidata à chancelaria federal na próxima eleição. Outras lideranças também são fortes, como Manuela Schwesig e Malu Dreyer. O processo de participação das bases também revelou rostos da nova geração, como Kevin Kühnert, além de dar ao partido um ar democrático e atraente para os mais jovens.

 

Na CDU, ao contrário, depois de mais de uma década de domínio de Merkel, há poucos nomes de peso para o futuro, com a possível exceção de Julia Klöckner.

A única nota dissonante nesse surpreendente sucesso do SPD foi dada por Martin Schulz. Menos de um ano depois de assumir a presidência do partido e ser saudado como um messias, o ex-presidente do Parlamento Europeu se despede da liderança com um balanço melancólico: depois de conduzir seu partido ao pior resultado eleitoral do pós-Guerra, ainda quebrou duas vezes a própria palavra.

Primeiro, Schulz prometeu ir para a oposição – e acabou lutando para convencer os filiados a entrar no governo. Depois, disse que não seria ministro de Merkel – e agora pediu para si o Ministério do Exterior. Difícil imaginar um final mais decepcionante para quem, afinal, carregava as esperanças de renovação do SPD.

A coluna Zeitgeist oferece informações de fundo com o objetivo de contextualizar temas da atualidade, permitindo ao leitor uma compreensão mais aprofundada das notícias que ele recebe no dia a dia.

___________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais