Sorrentino estreia filme sobre Berlusconi | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 24.04.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Cultura

Sorrentino estreia filme sobre Berlusconi

Primeira parte do polêmico longa "Loro" mostra período mais conturbado da carreira do ex-premiê italiano. Segundo o premiado diretor, um retrato de uma época "amoral e decadente" da política do país.

Berlusconi é personagem de biografia cinematográfica Loro, dirigida por Sorrentino (Reuters/Alessandro Bianchi)

Berlusconi é personagem de biografia cinematográfica Loro, dirigida por Sorrentino (Reuters/Alessandro Bianchi)

A primeira parte de Loro, aguardado filme biográfico sobre o ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi dirigido por Paolo Sorrentino, estreou nos cinemas da Itália nesta terça-feira (24/04).

Segundo Sorrentino, vencedor do Oscar de melhor filme estrangeiro com A grande beleza (2013), Loro vai além da figura de Berlusconi: é o retrato de um período "amoral, decadente, mas extraordinariamente vital" da história italiana.

Estrelado por Toni Servillo, mesmo protagonista de A grande beleza, o filme é dividido em duas partes – a segunda estreia em 10 de maio – e exibe uma versão ficcional da série de escândalos ocorrida entre 2006 e 2010.

É nesse período que Berlusconi, por exemplo, é acusado de subornar políticos opositores para voltar ao poder e de realizar festas com prostitutas menores de idade. Também foi nessa época que ele acabou se separando da segunda esposa.

O jornal de esquerda Il Fatto Quotidiano comentou que a primeira parte da cinebiografia mostra um Berlusconi de 81 anos, já velho e "de coração e próstata partidos".

A estreia era muito esperada pelo público, mas não pelo próprio magnata. Acostumado a controlar sua imagem na mídia, Berlusconi declarou no final de 2017, em uma coletiva de imprensa, que temia que o filme se tornasse uma agressão política ou pessoal contra ele.

Mais muitos críticos apontaram que, como a primeira parte do filme é majoritariamente uma versão romantizada dos escândalos de sexo e drogas em seu círculo de poder, no final a imagem de Berlusconi não saiu tão mais arranhada.

O jornal Il Giornale, de propriedade da família Berlusconi, escreve que o filme mostra que o político não esteve sozinho nos escândalos em que se envolveu. "No final do filme, Berlusconi é melhor que eles", disse o periódico. 

Berlusconi chegou a encontrar Sorrentino antes das filmagens e se mostrou entusiasmado com o projeto. Mas, segundo a agência de notícias italiana Ansa, com o tempo foi mudando de ideia e hoje não tem a intenção de assisti-lo.

Não é a primeira vez que Sorrentino cinebiografa uma figura política italiana. Em 2008, ele levou ao cinema Il divo, sobre o também ex-primeiro-ministro Giulio Andreotti. Como agora, o papel de protagonista coube a Servillo.

LM/dpa

_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

 

Leia mais