Sobe para 68 número de mortos em ataque a escola de Cabul | Notícias internacionais e análises | DW | 09.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Afeganistão

Sobe para 68 número de mortos em ataque a escola de Cabul

Bombas foram detonadas em sequência nas imediações de escola para meninas no Afeganistão. Estudantes estão entre as vítimas.

Afghanistan Kabul Anschlag

Estudante ferido em ataque é trasnportado para hospital

O número de mortos em um ataque a bomba do lado de fora de uma escola para meninas em Cabul, no Afeganistão, subiu para 68, apontaram autoridades locais neste domingo (09/05), com médicos lutando para cuidar de 165 feridos e famílias procurando desesperadamente por crianças desaparecidas.

Explosões no sábado atingiram o bairro de Dasht-e-Barchi, lar de uma grande comunidade de xiitas da minoria étnica Hazara, que foi alvo no passado de ataques do "Estado Islâmico" (EI), um grupo militante sunita.

Um carro-bomba foi detonado em frente à escola Sayed Al-Shuhada e mais duas bombas explodiram quando os alunos saíram correndo em pânico.

As autoridades disseram que a maioria dos mortos eram estudantes. "A primeira explosão foi poderosa e aconteceu tão perto das crianças que algumas delas não puderam ser encontradas", disse uma autoridade afegã, pedindo anonimato.

Uma testemunha ocular disse que todas as vítimas, exceto sete ou oito, eram estudantes que iam para casa depois do fim das aulas.

No domingo, civis e policiais recolheram livros e mochilas escolares espalhados por uma estrada manchada de sangue.

O presidente Ashraf Ghani culpou os insurgentes do Talibã, mas um porta-voz do grupo negou envolvimento e condenou qualquer ataque a civis afegãos.

O papa Francisco classificou o ataque como um "ato desumano" em declarações aos peregrinos na Praça de São Pedro, na Cidade do Vaticano, neste domingo.

jps (reuters)

Leia mais