Sob forte pressão, Papandreou desiste de referendo na Grécia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 03.11.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Sob forte pressão, Papandreou desiste de referendo na Grécia

Primeiro-ministro grego planejava consulta popular sobre pacote europeu de ajuda à economia do país. Sem apoio político no país e sob forte pressão dos demais líderes europeus, ele abriu mão do referendo.

Pressionado, Papandreou desiste de referendo na Grécia

Papandreou desiste de referendo

Apenas três dias após surpreender líderes europeus com o anúncio de um referendo sobre o pacote de ajuda europeu à sua fragilizada economia, o primeiro-ministro George Papandreou cancelou, nesta-quinta-feira (03/11), a consulta popular.

O chefe do governo grego sofreu forte pressão política para abandonar a ideia, que levou apreensão aos mercados financeiros devido ao risco de a Grécia ter que deixar a zona do euro e declarar default.

O líder da oposição, Antonis Samaras, exigiu que um governo de transição administre o país até a realização de eleições antecipadas. Papandreou afirmou, após conversas em Atenas com a oposição de centro-direita, que está disposto a formar um governo de transição para implementar o novo pacote de ajuda à Grécia e a falar sobre novas eleições.

Pressão em Atenas

Durante um encontro emergencial nesta manhã com o primeiro escalão de seu governo, Papandreou viu-se sem o apoio de vários de seus ministros, que defenderam a formação de um governo de coalizão.

O ministro grego de Finanças, Evangelos Venizelos, se declarou abertamente contrário ao referendo, ressaltando que a entrada da Grécia na zona do euro foi "uma conquista histórica, a qual o país não pode colocar em dúvida".

A oposição e também a base do governo socialista haviam defendido que o chefe do governo grego renunciasse ao cargo, que ocupa desde outubro de 2009, e que um novo governo de coalizão aprovasse imediatamente o resgate – e com ele as condições impostas pelos países-membros da zona do euro.

Pressão em Cannes

Sem a injeção de recursos europeus, a economia grega ficaria à beira de um colapso, o que traria sérias consequências para os Estados-membros da zona do euro. A crise da dívida foi tema dominante em Cannes nesta quinta-feira, primeiro dia do encontro de cúpula do G20.

Ao anunciar o referendo na última segunda-feira, Papandreou também havia anunciado sua disposição em se submeter ao voto de confiança no Parlamento, o que está marcado para esta sexta-feira.

O Banco Central Europeu baixou nesta quinta-feira para 1,25% sua taxa básica de juros. Especialistas acreditam que a medida tenha sido antecipada devido à situação na Grécia. A decisão do recém-empossado presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, tem como objetivo estimular a enfraquecida economia dos Estados-membros.

MS/rtr/dpa
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais