Situação de menores refugiados piora na UE, diz ONG | Notícias internacionais e análises | DW | 02.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Situação de menores refugiados piora na UE, diz ONG

Cinco anos após a morte do menino refugiado Aylan Kurdi no Mediterrâneo, a organização Save the Children alerta para falhas na política de migração do bloco. "Crianças ainda morrem às portas da Europa", diz a entidade.

Pintura mural reproduz fotografia de corpo do menino Alan Kurdi na praia

Pintura mural reproduz fotografia de corpo do menino Alan Kurdi na praia

Cinco anos após a morte do menino refugiado Aylan Kurdi no Mediterrâneo, imagem que irou símbolo da crise migratória, a organização Save the Children continua a acusar a UE de graves falhas em sua política de migração.

"Crianças ainda morrem às portas da Europa, e os chefes de Estado e de governo estão ignorando isso", criticou a diretora para a Europa da entidade humanitária, Anita Bay Bundegaard nesta quarta-feira (02/09) em Bruxelas, durante a divulgação de um relatório da ONG sobre os direitos infantis na política europeia de refúgio e migração.

Em 2 de setembro de 2015, Aylan Kurdi, de três anos, morreu afogado próximo à costa da Turquia quando cruzava o Mediterrâneo. A imagem dele morto na praia deu a volta ao mundo. "Os chefes de Estado e de governo da UE foram os primeiros a dizer 'nunca mais' depois da morte de Aylan Kurdi", frisa Anita Bay Bundegaard, afirmando que os menores agora estão expostos a riscos ainda maiores ao fugir para a Europa. Nos últimos cinco anos, pelo menos 700 crianças morreram tentando atravessar o Mar Mediterrâneo para a Europa.

No relatório, intitulado Protection Beyond Reach (Proteção além do alcance), a Save the Children examina como o tratamento dado pela UE às crianças e adolescentes refugiados mudou desde 2015. No total, cerca de 210 mil menores não acompanhados solicitaram refúgio na União Europeia nestes cinco anos. A maioria vem do Afeganistão, Síria e Eritreia e vive na Alemanha, Grécia, Itália e Suécia. O número real de crianças e adolescentes viajando sozinhos é presumivelmente muito maior. Muitos deles levam uma existência à margem das estatísticas oficiais, ameaçados por violência policial, exploração e abuso.

A Save the Children apela à UE para que priorize os direitos da criança em uma reforma da política de refúgio e migração do bloco. A entidade argumenta que a Europa deve aprender com lições do passado e reivindica que as crianças refugiadas tenham acesso imediato a refúgio e proteção; que menores não possam ser confinados e cobra uma facilitação do direito a refúgio na Europa como, por exemplo, através de uma regra simplificada de reunificação familiar.

O documento aponta que a probabilidade de se obter direito de permanência na UE diminuiu significativamente nos últimos anos. Segundo o texto, crianças e adolescentes que chegam ao continente desacompanhados vivem em constante temor de serem presos ou deportados.

A Save the Children relata que muitos países da UE fecharam as suas fronteiras e endureceram as suas regras de acolhida. "É inaceitável o modo como a Europa trata as crianças mais carentes", enfatizou Bundegaard.

MD/kna/epd/afp

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados