Sinal verde na briga por símbolo de Berlim | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 17.06.2005

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Economia

Sinal verde na briga por símbolo de Berlim

Dois empresários debatem-se há semanas pelos direitos de comercialização do simpático homenzinho verde que guia os pedestres nos semáforos da capital alemã. Parece que eles finalmente se entenderam.

Empresa fatura 2 milhões de euros por ano vendendo artigos da marca

Empresa fatura 2 milhões de euros por ano vendendo artigos da marca

Em Berlim, não há quem não o conheça. Símbolo do lado oriental da cidade, a figura verde que orienta os pedestres está espalhada pelas esquinas dos antigos bairros comunistas e começa a ser usada também nos sinais do lado ocidental. Os berlinenses têm especial simpatia pelo homenzinho do semáforo, o Ampelmännchen, o que faz dele um dos poucos símbolos da antiga Alemanha Oriental a ser bem aceito em toda capital.

Essa simpatia se traduz em dinheiro. Com a queda do Muro, o Ampelmännchen passou a ser visto também em canecas, camisetas, bolsas e bijuterias, artigos muito procurados pelos visitantes que passam por Berlim e encontráveis perto de qualquer ponto turístico. Um negócio que movimenta dois milhões de euros por ano e que levou à justiça dois empresários detentores de direitos de comercialização.

Homenzinho verde terá companhia feminina

Markus Heckhausen präsentiert Ampelmännchen-Lampen

O designer Markus Heckhausen

Foi o designer de Tübingen Markus Heckhausen quem levou o caso aos tribunais alemães. Ele acusou o seu concorrente, o engenheiro de Zwickau Joachim Rossberg, de não fazer o devido uso dos direitos que havia registrado para a marca e que portanto eles estariam prescritos.

Pela argumentação do designer, Rossberg tem se ocupado apenas da fabricação de semáforos e não faz uso dos direitos sobre outros produtos. O engenheiro nega. Ele afirma comercializar a marca ainda nos tempos da Alemanha Oriental e que a usa em outros produtos, como camisetas.

Heckhausen também registrou direitos da marca em 1997, após assinar um contrato com o criador da figura, o psicólogo Karl Peglau. Na Alemanha, as licenças são concedidas para classes de produtos, e os escritórios patenteadores não verificam se elas já estão registradas. Isso faz com que possa haver sobreposição de direitos.

O acordo que selou a paz entre o designer e o engenheiro envolveu uma troca de direitos e um novo símbolo: a Ampelmädchen, versão feminina do sinal de semáforo, já utilizada em Dresden e Zwickau. Num acordo amigável, ficou basicamente acertado que Heckhausen terá os direitos sobre a versão masculina, e Rossberg, sobre a feminina. Os detalhes serão negociados pelos advogados nas próximas semanas. Ambas as partes se mostraram satisfeitas com o acerto.

Batalha entre Ossis e Wessis

Erste Ampelfrau in Zwickau

Joachim Rossberg exibe os primeiros semáforos com a versão feminina do símbolo

O engenheiro é dono de uma empresa que fabrica semáforos na cidade de Zwickau, o que ele já fazia nos tempos da Alemanha Oriental. Sua principal fonte de renda é o fornecimento de semáforos para canteiros de obras. Rossberg ainda ganha um dinheiro extra vendendo camisetas, canecas e uma cachaça com a marca do Ampelmännchen, o que lhe rende 50 mil euros por ano. Ele afirma ter criado a versão feminina da famosa figura.

Já o designer Heckhausen se mudou para Berlim após a queda do Muro. Ao perceber o amor dos berlinenses pela figura, teve a idéia de registrar os direitos, que lhe foram concedidos em 1997. De posse deles, Heckhausen fundou sua empresa e entupiu as lojas da cidade com artigos exibindo o homenzinho verde. Hoje, fatura dois milhões de euros por ano.

A batalha entre os dois ganhou o noticiário local e foi interpretada por muitos alemães como um conflito entre um Wessi (ocidental) e um Ossi (oriental) em torno de um símbolo da Alemanha Oriental. Heckhausen, o ocidental, chegou a ser xingado por isso.

Idéia foi de um psicólogo

Nenhum dos dois, porém, criou o símbolo. A idéia foi do psicólogo Karl Peglau. Até 1961, os cruzamentos da Alemanha Oriental tinham semáforos semelhantes aos de várias cidades do mundo, com círculos vermelho e verde. Mas os alemães não os levavam a sério, e acidentes eram freqüentes. O governo incumbiu Peglau de criar figuras que despertassem a simpatia e a confiança da população – foi assim que surgiu o Ampelmännchen, nas suas versões vermelha e verde. Com sucesso. Os acidentes de trânsito diminuíram após ele começar a ser usado.

Leia mais