Sexto ministro do governo Bolsonaro testa positivo para covid-19 | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 31.07.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Sexto ministro do governo Bolsonaro testa positivo para covid-19

Titular da Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário, é diagnosticado com o novo coronavírus. Não há informações sobre seu estado de saúde.

Wagner Rosário

CGU não informou sobre estado de saúde de Wagner Rosário

A Controladoria-Geral da União (CGU) afirmou nesta sexta-feira (31/07) que o titular da pasta, Wagner Rosário, está com covid-19. Ele é o sexto ministro do governo de Jair Bolsonaro a contrair a doença.

"O ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, testou positivo para a covid-19 nesta quinta-feira, dia 30. Ele ficará em isolamento até novo teste e alta médica. Até lá, manterá as atividades de forma remota", diz o comunicado. A CGU não informou sobre o estado de saúde de Rosário.

Além de dele, outros cinco ministros já foram infectados: Marcos Pontes (Ciência, Tecnologia e Inovações), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Bento Albuquerque (Minas e Energia), Onyx Lorenzoni (Cidadania) e Milton Ribeiro (Educação). Este último anunciou o diagnóstico positivo apenas quatro dias depois de tomar posse.

Em março, após uma visita aos Estados Unidos, 18 membros da comitiva do presidente testaram positivo para a doença. Fabio Wajngarten, atual secretário-executivo do Ministério das Comunicações, foi o primeiro membro do governo a testar positivo, ainda em março, quando ocupava a chefia da Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) do Governo Federal.

Em 7 de julho, Bolsonaro também declarou que havia sido infectado

 pelo Sars-CoV-2 e que estava tomava hidroxicloroquina como tratamento primário. Quase três semanas depois, o presidente afirmou que um quarto teste finalmente indicava que ele estava livre da doença. Durante o período em que estava infectado, Bolsonaro cumpriu um isolamento frouxo, chegando a confraternizar com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada e a passear nos jardins do palácio enquanto funcionários trabalhavam.

Na quinta-feira, o Palácio do Planalto anunciou que a primeira-dama Michelle Bolsonaro, de 38 anos, também foi diagnosticada com covid-19.

Desde o início da pandemia, Bolsonaro adotou uma postura pública de minimizar os efeitos da doença – que ele chegou a chamar de "gripezinha" – e de pregar pelo fim de medidas de isolamento social. Também passou a promover tratamentos duvidosos como a hidroxicloroquina, chegando a provocar a saída de dois ministros da Saúde que resistiram a elaborar um amplo protocolo para o uso do medicamento, diante da falta de comprovação da sua eficácia.

O Brasil segue há dois meses e meio sem um ministro da Saúde. O posto vem sendo ocupado interinamente desde 15 de maio pelo general Eduardo Pazuello, que não tinha experiência na área e indicou militares para quase todos os postos-chave do ministério. Em sua gestão, as mortes e novas notificações de casos dispararam no país: quase 75 mil novos óbitos foram registrados desde que a pasta passou a ser gerida por Pazuello e outras dezenas de militares.

Sob a intervenção pessoal de Bolsonaro e do Exército, o ministério também tentou esconder os números da pandemia no início de junho, mas voltou atrás após ordem do Supremo Tribunal Federal.

CN/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais