Serviço secreto alemão passa a vigiar ala extremista da AfD | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 12.03.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Serviço secreto alemão passa a vigiar ala extremista da AfD

Grupo conhecido como "Der Flügel", liderado por Björn Höcke, é claramente de extrema direita, afirma chefe do órgão de proteção da Constituição da Alemanha. AfD não concorda com a decisão.

A ala mais radical da extrema direita do partido populista Alternativa para a Alemanha (AfD) tornou-se oficialmente objeto especial de vigilância pelo Departamento Federal para a Proteção da Constituição (BfV, o serviço secreto interno), anunciou nesta quinta-feira (12/02) o presidente do órgão, Thomas Haldewang.

Ele disse que há claros indícios de inconstitucionalidade nas ações da ala conhecida como "Der Flügel", que tem grande influência sobre a liderança da AfD, e que seus dois principais líderes são extremistas de direita.

"É fato que foram encontradas violações contra elementos da ordem fundamental liberal-democrática, a dignidade do ser humano, a democracia e os princípios do Estado de Direito", afirmou Haldewang, para quem o Flügel é comprovadamente um movimento de extrema direita.

Em janeiro de 2019, o serviço secreto interno da Alemanha já havia dito que a ala radical, fundada pelo líder da AfD na Turíngia Björn Höcke, era suspeita de extremismo de direita, assim como o grupo jovem do partido, o Junge Alternative.

Após o ataque de motivação racista em Hanau no mês passado, que deixou 11 pessoas mortas, o número de pedidos para que a AfD fosse monitorada pelo órgão de proteção da Constituição aumentaram.

A nova classificação significa que o grupo pode ser observado com o uso de todo o leque de recursos de inteligência, o que inclui a espionagem de pessoas para a coleta de dados e o recrutamento de informantes dentro do partido.

Além de Höcke, que já defendeu publicamente ideias típicas do neonazismo, como a "grande troca populacional", também integra o Flügel o líder da AfD em Brandemburgo, Andreas Kalbitz, que no passado teve laços estreitos com neonazistas

O Flügel não faz parte da estrutura partidária oficial e, portanto, não há uma lista de membros. Segundo Joachim Seeger, chefe do departamento de extrema direita do BfV, calcula-se que 20% do partido, ou seja, cerca de 7 mil pessoas, pertençam a essa ala especialmente radical. Em todo o país estima-se que haja cerca de 32 mil extremistas de direita.

Haldewang enfatizou que, para obter uma visão completa da extrema direita, é necessário também incluir o "racismo, ódio e assédio por partidos representados no Parlamento".

"Hoje sabemos que as democracias podem fracassar se forem dinamizadas por seus adversários. Esse é o aviso que a história nos deixou", declarou Haldewang, para quem o extremismo de direita e o terrorismo de direita são o maiores perigos para a democracia na Alemanha..

A co-presidente da AfD Alice Weidel disse não concordar com a medida. "A AfD fará todo o possível para impedir a observação" afirmou. Kalbitz disse que a decisão não se fundamenta em fatos e tem motivações políticas.

LE/efe/dw

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais