Serviço secreto alemão espionava Interpol e Europol, afirma ″Spiegel″ | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 22.04.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Serviço secreto alemão espionava Interpol e Europol, afirma "Spiegel"

Dois meses após denunciar monitoramento de veículos de imprensa, revista alemã revela que BND vigiava escritórios e agentes de polícias internacional e europeia. Serviços envolvidos se negam a comentar.

Central da Interpol em Lyon França

Central da Interpol em Lyon França

Desde 2000, o Serviço Federal alemão de Informações (BND) espionou a sede da agência de polícia internacional Interpol em Lyon, França, assim como seus escritórios nacionais em dezenas de países, inclusive Estados Unidos, Áustria, Dinamarca e Grécia, noticiou neste sábado (22/04) a revista de notícias alemã Der Spiegel.

Citando documentos a que teve acesso, o veículo afirma que a espionagem se estendeu por diversos anos, com o BND incluindo os endereços de e-mail e números de telefone e fax dos investigadores policiais em sua lista de monitoramento. Um total de 190 países – praticamente todas as nações do mundo – integra a Interpol.

A agência secreta alemã também teria desviado dados do serviço europeu de polícia Europol, sediado em Haia, Holanda. Nem o Serviço de Informações alemão, nem as duas agências de polícia supostamente vítimas de espionagem se manifestaram sobre as acusações.

Em fevereiro, o Spiegel  já denunciara o BND por ter vigiado, a partir de 1999, diversas organizações de imprensa, entre os quais a BBC, The New York Times  e a agência de notícias Reuters, igualmente grampeando seus telefones, faxes e e-mails.

Ironicamente, as operações duvidosas do BND vieram à tona no contexto de um inquérito do Parlamento alemão sobre alegações de espionagem por parte dos EUA. Como está comprovado, durante anos a Agência de Segurança Nacional (NSA) americana realizou vigilância em massa fora do país, monitorando até mesmo o telefone celular da chefe de governo alemã, Angela Merkel.

Leia mais