Sem coalizão de governo, Alemanha mergulha em incertezas | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 20.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Sem coalizão de governo, Alemanha mergulha em incertezas

Liberais abandonam conversas para formação de novo governo na Alemanha e complicam situação da chanceler federal Angela Merkel. País pode até mesmo ter nova eleição, o que seria inédito.

As sondagens para a formação do novo governo da Alemanha fracassaram neste domingo (19/11) após o Partido Liberal Democrático (FDP, na sigla em alemão) anunciar que estava abandonando a mesa de negociações. Com o colapso das conversas, o futuro do quarto mandato da chanceler federal Angela Merkel se complicou.

Pouco antes da meia-noite (horário da Alemanha), o chefe dos liberais, Christian Lindner, disse que "é melhor não governar do que governar de forma errada". Ele citou diferenças irreconciliáveis entre as quatro partes nas negociações – o FDP, o Partido Verde, a União Democrata Cristã (CDU), de Merkel, e a aliada bávara desta, a União Social Cristã (CSU). "Não culpamos ninguém por se manter fiel a seus princípios, mas nós também fazemos o mesmo. Nós defendemos reverter as tendências atuais, mas não conseguimos chegar a um acordo", disse Lindner.

Após as eleições federais que ocorreram em 24 de setembro, os quatro partidos deram início a uma série de sondagens para chegar a um acordo preliminar que pudesse dar início às negociações para a formação de uma coalizão. A possível formação foi apelidada de "Jamaica" pela imprensa, em referência às cores dos partidos que, quando combinadas, correspondem às da bandeira do país caribenho. Caso os quatro partidos se unissem, a base de Merkel contaria com 393 dos 709 deputados do Parlamento. O FDP sozinho conta com 80 deputados. 

Conflitos

Mas uma série de divergências acabou por complicar as conversas. Os temas que provocaram conflito envolviam desde a questão dos refugiados até medidas de preservação ambiental. A CDU e a CSU, por exemplo, desejavam impor uma cota máxima de 200 mil refugiados que poderiam ser acolhidos anualmente no país. A medida tinha apoio dos liberais, mas o Partido Verde só aceitou concordar com ela caso os refugiados que já estão no país pudessem trazer suas famílias.

Leia também A Alemanha em estado de choque

Nas últimas eleições, o tema refugiados dominou o debate político, tornado-se uma questão tóxica entre o eleitorado. Entre 2015 e 2016, mais de 1 milhão de refugiados chegaram ao país. Mas esse não foi o único ponto de divergência. Os verdes também defendiam medidas radicais para cortar o consumo de carvão no país, o que provocou objeções dos outros partidos. 

Horas antes do anúncio sobre o fracasso das negociações já era possível notar que as conversas finais, que ocorreram ao longo do domingo em Berlim, não estavam indo bem. A previsão inicial era de que uma decisão seria anunciada às 18h.

Após Lindner abandonar as conversas, membros do Partido Verde criticaram a decisão. O deputado verde Reinhard Bütikofer disse que o chefe dos liberais escolheu "sua própria forma de agitação populista em detrimento da responsabilidade política".

Merkel lamentou o colapso das negociações e disse que seu partido acreditava que "o ritmo das conversas indicava que seria possível chegar a um acordo". Horst Seehofer, o presidente da CSU, disse que um acordo "estava ao alcance" pouco antes de os liberais abandonarem as conversas.

Um dos chefes do Partido Verde, Cem Özdemir, também ecoou Merkel: "A única combinação democrática possível foi infelizmente derrubada pelo FDP", disse.

As opções de Merkel

 A grande derrotada da noite foi Merkel. Com o fracasso da formação da coalizão "Jamaica" restam apenas três opções viáveis para a chanceler federal.

Ela pode voltar as atenções para o Partido Social-Democrata (SPD), que recebeu 20,5% dos votos na eleição, e assim conseguir formar maioria no Bundestag, o parlamento do país. Em setembro, a CDU/CSU recebeu 32,9% dos votos. O problema é que o SPD, que governou o país como parceiro de Merkel nos últimos quatro anos, já disse que quer passar para a oposição.

Nestas eleições, o SPD teve seu pior resultado eleitoral desde o fim da República de Weimar (1919-1933), e esse o fracasso foi atribuído em parte à associação com Merkel, que acabou por diluir o programa do partido e deixá-lo indistinguível dos conservadores. Neste domingo, o líder da sigla, Martin Schulz, voltou a reiterar que não deseja a continuação de uma coalizão com Merkel.

Dessa forma, a chanceler federal terá a opção de formar um governo de minoria, possivelmente só com os verdes ou apenas com o FDP. O problema é que a Alemanha não está acostumada a governos desse tipo, e a falta de uma maioria no Parlamento pode eventualmente erodir o poder de um chefe de governo.

Como última e mais radical opção restará ao presidente do país, Frank-Walter Steinmeier, a dissolução do Parlamento e a convocação de nova eleição. Essa seria uma situação inédita, pois as dissoluções anteriores do Bundestag se deram por moções de desconfiança apresentadas pelo chanceler federal no cargo, e não pela incapacidade dos partidos de chegar a uma maioria para governar.

Esta opção pode provocar dificuldades para a elite política, já que os grandes partidos alemães experimentaram um declínio nas últimas eleições. O SPD perdeu 5,2 pontos percentuais em relação à eleição de 2013. Já a CDU/CSU perdeu 8,6 pontos percentuais. Uma rodada extra pode provocar uma fuga ainda maior do eleitorado.

Vários políticos tradicionais também temem que uma nova eleição possa beneficiar o partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD), que conquistou 12,6% dos votos em setembro e conseguiu pela primeira vez ocupar cadeiras no Parlamento. Na última quinta-feira, a deputada Alice Weidel, uma das líderes da AfD, já havia defendido a realização de um novo pleito caso as negociações para um novo governo fracassassem.

___________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais