Sem Campos, PSB tem futuro ameaçado | Eleições 2018 | DW | 14.08.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Eleições 2018

Sem Campos, PSB tem futuro ameaçado

Analistas políticos dizem que ex-governador de Pernambuco representava projeto alternativo de governo e, com ele, partido poderia romper polarização entre PT e PSDB. Candidatura de Marina pode dividir legenda.

O acidente aéreo que matou o candidato à Presidência da República Eduardo Campos pode ter acabado também com as esperanças do PSB de se tornar uma terceira força política no país. A morte do ex-governador de Pernambuco deixa um vácuo no partido, centrado na figura do político.

“Campos era o único líder real do PSB. Na falta dele, não há um sucessor. É um problema sério na construção do partido, que ficou fechado sobre si mesmo”, afirma o professor de ética e filosofia política da Universidade de São Paulo Renato Janine Ribeiro.

Para ele, o personalismo é uma marca da política brasileira, o que pode ser perigoso para os partidos. “É uma pena, porque o PSB poderia ter um espaço maior, mas acabou tendo uma posição pequena. A Rede, quando for criada, também só terá a Marina. Até o PT, com vários nomes, tem uma dependência excessiva do Lula”, argumenta.

O cientista político David Fleischer, professor emérito da UnB, acredita que o partido terá que trabalhar para criar novas lideranças. “Isso não será fácil, porque Campos tinha uma história e dois mandatos muito bem sucedidos como governador. E não há nenhum outro com essa experiência acumulada”, explica.

Rupturas e disputas

O cientista político Pedro Fassoni, da PUC-SP, lembra que o PSB já entrava enfraquecido na campanha eleitoral, com importantes membros abandonando a legenda no ano passado.

“Já tinha havido algumas deserções, como os irmãos Cid e Ciro Gomes, que deixaram o partido para apoiar a reeleição de Dilma, pois não concordavam com a candidatura de Campos. Com isso, o partido, que já era pequeno, ficou ainda menor”, diz Fassoni.

Especialistas apontam também que o trágico acidente pode desencadear disputas internas no partido. “Campos tinha um projeto hegemônico, que outros grupos vão tentar substituir”, afirma o cientista político Antonio Carlos Mazzeo, da Unesp e da PUC-SP.

Sem o seu principal líder, o partido deve lançar Marina Silva, vice-candidata na chapa do PSB. Antes de se unir a Campos, a ex-senadora tentou lançar a sua própria candidatura à Presidência pela Rede, projeto de partido que não obteve o registro a tempo.

A escolha, entretanto, representa um dilema para o partido. “Ou o PSB apoia a Marina, uma pessoa de vínculo frágil com o partido e que provavelmente vai sair para construir a sua própria legenda, ou lança outro nome e tem uma votação muito pequena”, afirma Ribeiro.

Caso opte por Marina Silva, o partido corre outro risco. Segundo os cientistas políticos, a ex-senadora não tem boa relação com os quadros do PSB e pode motivar rupturas com o partido.

“O PPS, por exemplo, é muito mais identificado com o PSDB do que com Marina. Ele pode romper com o PSB e em nome de outro candidato”, aponta Fassoni. O especialista argumenta que o mesmo deve ocorrer em alianças estaduais. “No estado de São Paulo, o grupo do PSB deve apoiar Aécio Neves, e não Marina”, diz.

Eduardo Campos und Marina Silva

Sem o seu principal líder, o partido deve lançar Marina Silva, vice-candidata na chapa

Terceira via

De acordo com especialistas, Campos representava um projeto alternativo de governo. Eles defendem que o PSB poderia romper com a polarização entre PT e PSDB.

“O PSB estava se tornando uma terceira força política. O papel de Campos nessa construção era essencial, mas infelizmente isso se perdeu”, lamenta Fleischer.

O cientista político acredita que Campos teve pouco tempo para expor suas ideias aos eleitores brasileiros: “A entrevista no Jornal Nacional, um dia antes do acidente, foi a primeira vez que ele teve a chance de falar das suas propostas em rede nacional."

Para Fleischer, Campos tinha propostas inovadoras em relação ao programa de governo do PT e do PSDB. “Diferentemente de Dilma e Marina, ele era cordial com o mercado, o sistema financeiro e a agroindústria. Apesar de socialista, queria um maior envolvimento do setor privado para resolver os problemas do Brasil”, diz.

Semelhanças com PSDB

Nem todos os especialistas concordam que o PSB chegaria a ser uma força política nacional capaz de concorrer com o PT e o PSDB.

“É um partido pequeno, que não conta nem com 5% das cadeiras na Câmara dos Deputados. É muito pouco tempo na televisão”, defende Fassoni. Além disso, argumentam que o PSB não apresentou propostas inovadoras o suficiente para inaugurar uma nova linha política.

“Eu acho que o PSB era uma terceira via apenas no sentido eleitoral. Em termos de conteúdo, não diferia muito do PSDB. As ideias são praticamente as mesmas: responsabilidade fiscal, choque de gestão, profissionalização do serviço publico, controle de metas da inflação”, aponta Fassoni.

Para Ribeiro, um das principais problemas da campanha de Campos era que o candidato era visto como uma espécie de “reserva” de Aécio.

“Ninguém sabia exatamente o que o Campos propunha. Era muito difícil distingui-lo do Aécio. E o candidato do PSDB foi muito hábil nisto, porque tratava o ex-governador de Pernambuco com um pouco de paternalismo e condescendência, como se estivessem do mesmo lado”, diz o especialista da USP.

Ambos os especialistas concordam que a campanha de Campos já estava enfraquecida e “não decolava”. Segundo eles, a candidatura de Marina Silva tem mais chances de representar uma alternativa real ao PT e o PSDB, ainda que também correria o mesmo risco de fracassar.

Leia mais