1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Mulher de máscara diante da Casa Rosada, em Buenos Aires
A capital, Buenos Aires, é uma das regiões mais atingidas pelo coronavírusFoto: Roberto Almeida Aveledo/ZUMA Wire/picture alliance
PolíticaArgentina

Segunda onda de covid-19 atinge Argentina com força

20 de maio de 2021

Com vacinação a passos lentos e medidas de combate consideradas insuficientes por especialistas, país tem batido recordes diários de novas infecções e mortes. Governo e oposição politizam combate ao vírus.

https://www.dw.com/pt-br/segunda-onda-de-covid-19-atinge-argentina-com-for%C3%A7a/a-57600196?maca=bra-rss-br-all-1030-rdf

A Argentina passa desde fins de março por uma segunda onda de infecções pelo novo coronavírus, com um vertiginoso aumento nos casos de covid-19 e crescente nível de ocupação de leitos de UTIs.

Nesta quarta-feira (19/05) o país registrou um novo recorde diário de infecções, com 39.652 casos em 24 horas. O número total oficial de contágios é superior a 3,4 milhões, registrados desde o início da pandemia.

O recorde diário anterior havia sido registrado um dia antes, terça-feira, com 35.543 novas infecções em um dia. Naquele dia foi também registrado o recorde diário de mortes, com 745 falecimentos. Em todo o país, a pandemia já matou 72 mil pessoas.

Na capital e nas províncias de Buenos Aires, Córdoba e Neuquén, a ocupação nos leitos de UTIs supera os 90%, segundo um levantamento da Sociedade Argentina de Tratamento Intensivo (Sati).

Politização do combate ao vírus

Para evitar o colapso do sistema de saúde, o governo tem imposto restrições às atividades noturnas e às aulas presenciais nas regiões onde o vírus tem se espalhado mais rapidamente.

A suspensão das aulas presenciais foi, porém, rejeitada pelo prefeito de Buenos Aires, Horacio Rodríguez Larreta, que recorreu à Corte Suprema e ganhou o apoio desta.

A oposição tem criticado duramente as medidas de combate à pandemia do governo peronista, de olho nas eleições legislativas de outubro e já na presidencial de 2023, com o argumento de que as medidas atentam contra as liberdades civis.

Mas, diante da gravidade da atual situação, o governo do presidente Alberto Fernández anunciou nesta quarta-feira, em reunião com governadores, que adotará restrições mais duras e pediu o apoio dos líderes das províncias.

Fernández criticou a Suprema Corte por ter permitido a manutenção do ensino presencial, o que, para ele, é um dos motivos para a atual explosão de casos.

Especialistas afirmaram que as medidas adotadas até aqui pelo governo de Fernández não foram suficientemente rigorosas e que médicos de UTIs estão esgotados.

A vacinação, que começou em dezembro, anda a passos lentos na Argentina. Apenas 18% da população, de 45 milhões de habitantes, recebeu a primeira dose, ou cerca de 8,3 milhões de pessoas, e 2,1 milhões já receberam a segunda, ou 4,7% do total de habitantes.

as/lf (Efe, AFP)