Satélite alemão mostrará Terra em versão 3D | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 21.06.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

Satélite alemão mostrará Terra em versão 3D

A Alemanha acaba de lançar ao espaço o satélite de radar Tandem-X. O dispositivo permanecerá três anos ao redor da Terra. As imagens captadas construirão um modelo tridimensional do planeta com exatidão nunca vista.

default

Tandem-X: a 28 mil km por hora, satélite captará imagens durante três anos

Após duas postergações, o satélite de radar alemão Tandem-X finalmente foi enviado ao espaço na madrugada desta segunda-feira (21/06). O lançamento foi realizado na base espacial de Baikonur, no Cazaquistão, de onde partiu o foguete russo-ucraniano com o satélite a bordo. O dispositivo ajudará a construir um modelo tridimensional da superfície terrestre, detalhado como nenhum outro.

De acordo com o Centro Alemão de Navegação Aérea e Espacial (DLR), meia hora após o lançamento já foi possível enviar e captar os primeiros sinais. O satélite foi construído conjuntamente pelo DLR e a empresa espacial Astrium. A mesma parceria público-privada foi responsável pelo satélite irmão do Tandem-X, o Terrasar-X, em órbita desde 2007.

Irmãos em órbita

Os satélites Tandem-X e Terrasar-X viajarão lado a lado, separados por 200 km e a uma velocidade de 28 mil km por hora. Os dois captarão imagens simultâneas, registrando os 150 milhões de km² da superfície terrestre sob diferentes ângulos.

Durante três anos, eles coletarão dados que permitirão medir o planeta com uma exatidão de três a cinco metros. Será o mais preciso modelo tridimensional da Terra já construído por satélite.

As informações coletadas auxiliarão no planejamento urbano, na utilização adequada de terrenos e também em casos de catástrofes. O Terrasar-X já registrou o desnivelamento do solo após o terremoto do Haiti, por exemplo. Além das aplicações científicas e para segurança, os dados também serão utilizados comercialmente. Segundo o DLR, já há 30 clientes interessados.

Autor: LPF/afp/dpa
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais