Saiba o que é um ″ciclone bomba″ | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 05.01.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Meio ambiente

Saiba o que é um "ciclone bomba"

Antes de se tornar popular nas redes sociais, termo era usado apenas por meteorologistas e entusiastas. Entenda o que, além do nome, torna esse tipo de tempestade de inverno tão "explosivo".

Pedestres enfrentam nevasca na Union Square, em Nova York, após passagem de um ciclone bomba na Costa Leste dos Estados Unidos

Pedestres enfrentam nevasca na Union Square, em Nova York

tempestade de inverno que atingiu partes dos estados americanos da Flórida, da Geórgia e da Carolina do Sul nesta quinta-feira (04/01), tornando-se uma das mais fortes já registradas, segundo relatou o diário The Washington Post. Meteorologistas esperam que uma brutal onda de frio atinja o nordeste dos Estados Unidos nesta sexta-feira. 

A tempestade foi desencadeada por uma queda rápida e vertiginosa na pressão atmosférica, fenômeno chamado por alguns meteorologistas de "ciclone bomba", e que costuma ser acompanhada de ventos fortes e muita neve.

O que é um "ciclone bomba"?

Apesar de o termo soar assustador, um "ciclone bomba" é apenas uma versão simplificada do termo técnico bombogênese.

Assistir ao vídeo 01:25

Ciclone-bomba provoca caos nos EUA

A definição descreve ciclones enormes que são o resultado de uma queda rápida da pressão atmosférica – pelo menos 24 milibars em 24 horas.

Esse tipo de tempestade se forma quando o ar frio do continente americano se choca com ar mais quente vindo do Oceano Atlântico. Os ventos e a rotação da Terra criam um efeito de centrifugação – daí a alcunha de "ciclone".

No que diz respeito ao termo "bomba", a única característica explosiva dessas tempestades é sua queda veloz de pressão, o que determina qual será a potência da tormenta.

A população que vive na rota do ciclone deve ficar alerta às nevascas e às rajadas geladas de vento. Porém, um dos maiores riscos de um "ciclone bomba" vem depois do fim da tempestade.

"Ciclones bomba" puxam para dentro o ar extragelado de regiões polares depois que passam – o que quer dizer que pessoas na sua rota podem ficar expostas a um frio extremo, tendo que lidar também com a falta de energia.

Times Square, em Nova York, após passagem de ciclone bomba que trouxe neve forte, frio intenso e queda de energia

Efeitos do "ciclone bomba": quedas fortes e velozes de neve e temperaturas muito abaixo de zero

Visibilidade para o termo

O termo "ciclone bomba" era desconhecido fora de círculos de meteorologistas até alguns dias atrás, quando o Washington Post usou a definição numa matéria e a expressão passou a ser compartilhada em redes sociais. Há quatro anos, o termo "vórtex polar" também foi popularizado de maneira semelhante.

Esse tipo de tempestade também costuma ser chamada de "Nor'easter" (termo em inglês para "proveniente do nordeste"), e que tem esse nome por causa da direção predominante dos ventos mais fortes, a nordeste.

RK/dw/ap/rtr/afp

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados