Só um terço dos eleitores de Mélenchon apoia Macron | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 03.05.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

França

Só um terço dos eleitores de Mélenchon apoia Macron

Pesquisa online feita pelo movimento esquerdista França Insubmissa revela que maioria prefere anular voto ou se abster. Tendência favorece Le Pen. Mélenchon obteve 7 milhões de votos.

Macron e Mélenchon

Macron (e) tem mais apoio entre os eleitores de Mélenchon do que Le Pen

A maioria dos seguidores da França Insubmissa, movimento do candidato derrotado da esquerda na eleição presidencial na França, Jean-Luc Mélenchon, pronunciou-se a favor do voto branco ou nulo no segundo turno, disputado entre o centrista Emmanuel Macron e a candidata da extrema direita Marine Le Pen.

Ao término de uma consulta pública por internet, da qual participaram 243.128 seguidores, 36,12% se pronunciaram pelo voto branco ou nulo, 34,83% por Macron e 29,05% pela abstenção, anunciou nesta terça-feira (02/05) o movimento do candidato da esquerda. A pesquisa não incluía a opção de voto em Le Pen.

Se os eleitores da França Insubmissa seguirem essa tendência, poderão causar danos graves à candidatura de Macron, que disputará o segundo turno contra Le Pen no próximo domingo. Em comunicado, a França Insubmissa afirmou que o objetivo da pesquisa não era sugerir uma opção de voto, mas refletir a opinião dos simpatizantes sobre suas opções no segundo turno.

Analistas políticos avaliam que o resultado da pesquisa indica que o número de votos brancos ou nulos poderá ser elevado, o que pode beneficiar Le Pen, uma vez que os eleitores da extrema direita são os que apresentam menores índices de abstenção.

Os eleitores de Mélenchon poderão ser o fiel da balança na eleição: o esquerdista, que ganhou popularidade na reta final do primeiro turno, obteve 7 milhões de votos, enquanto Macron teve 8,6 milhões e Le Pen, 7,6 milhões.

As tentativas da direita de angariar os votos dos esquerdistas no segundo turno – com um discurso voltado contra a globalização e o sistema financeiro – parecem não atrair uma parcela significativa desse eleitorado. Uma pesquisa do Instituto Ifop revelou que apenas 13% dos eleitores de Mélenchon estariam dispostos a votar em Le Pen. No entanto, outra pesquisa, do instituto Elabe, afirma que esse total é de 23%.

Macron sem apoio de Mélenchon

O favorito nas pesquisas lamentou não contar com o apoio do esquerdista para impedir uma vitória de Le Pen. Mélenchon havia pedido, sem sucesso, que Macron retirasse de seu programa a reforma trabalhista, como condição para que pudesse ganhar o apoio de seus eleitores.

O líder da França Insubmissa foi muito criticado por políticos de centro-direita e socialistas por não ter dado uma manifestação clara de voto a favor de Macron. "É extremamente chocante [Mélenchon] não ter uma posição mais clara sobre a Frente Nacional", afirmou a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, alertando que "há uma grande banalização da Frente Nacional" e que "existem vínculos entre os que colaboraram com os nazistas e os fundadores do partido".

O candidato conservador François Fillon, derrotado no primeiro turno, pediu a seus eleitores para que votem contra Le Pen, afirmando que seu projeto vai empobrecer de "forma irremediável" a França e isolar o país.

O levantamento mais recente divulgado pelo centro de pesquisas Cevipof sugere uma pequena diminuição da vantagem de Macron no segundo turno. O centrista teria 59% das intenções de voto contra 41% de Le Pen. A pesquisa Cevipof é uma das últimas de grande porte realizadas antes do segundo turno.

RC/efe/afp/rtr

 

Leia mais