Rosa Weber suspende convocação de governadores pela CPI | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 22.06.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Rosa Weber suspende convocação de governadores pela CPI

Ministra do STF considera que senadores agiram além de seus poderes ao convocarem gestores estaduais à CPI da Pandemia e que estes podem prestar esclarecimentos de forma voluntária. Decisão é derrota para governistas.

Rosa Weber

Rosa Weber considerou que a convocação de governadores para depor à CPI é incompatível com a Constituição

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber suspendeu nesta segunda-feira (22/06) a convocação de governadores pela CPI da Pandemia, instalada no Senado para investigar a gestão da crise sanitária provocada pela covid-19.

Numa sessão virtual marcada para esta semana, entre os dias 24 e 25 de junho, os 11 ministros que compõem o plenário do STF deverão decidir se mantêm a decisão monocrática de Rosa Weber.

A ministra atendeu a um recurso apresentado por 19 dos 27 governadores brasileiros, depois de a CPI decidir convocar nove deles para testemunhar e esclarecer como foram usados recursos federais enviados a estados e municípios no âmbito da pandemia.

Na sua decisão, Rosa Weber considerou que a convocação de governadores é incompatível com a Constituição e que cabe ao Tribunal de Contas da União (TCU) investigar as contas dos estados, e não a comissões parlamentares de inquérito (CPIs).

"Os governadores de estado prestam contas perante a Assembleia Legislativa local (contas de governo ou de gestão estadual) ou perante o Tribunal de Contas da União (recursos federais), jamais perante o Congresso Nacional", afirmou.

Para a magistrada, os senadores agiram além de seus poderes ao convocar os governadores, sendo que prerrogativa das CPIs de ouvir testemunhas não dá às comissões o "poder de convocar quaisquer pessoas a depor, sob quaisquer circunstâncias".

"A amplitude do poder investigativo das CPIs do Senado e da Câmara dos Deputados coincide com a extensão das atribuições do Congresso Nacional, caracterizando excesso de poder a ampliação das investigações parlamentares para atingir a esfera de competências dos estados-membros ou as atribuições exclusivas do Tribunal de Contas da União", afirmou.

Rosa Weber determinou que a CPI pode convidar governadores a depor voluntariamente.

Foco governista

Instalada em 27 de abril, a CPI concentrou-se, até ao momento, sobretudo em investigar possíveis omissões do governo do presidente Jair Bolsonaro no combate à pandemia e na negociação com laboratórios para aquisição de vacinas contra a covid-19.

A convocação de governadores foi uma das principais reivindicações de senadores governistas e do próprio Bolsonaro. Os governadores convocados foram Wilson Lima (PSC-AM), Helder Barbalho (MDB-PA), Ibaneis Rocha (MDB-DF), Mauro Carlesse (PSL-TO), Carlos Moisés (PSL-SC), Waldez Góes (PDT-AP), Wellington Dias (PT-PI) e Marcos Rocha (PSL-RO), além do ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel.

Em sessão tensa da CPI da Pandemia, na última quarta-feira, Witzel disse que Bolsonaro "deixou os governadores à mercê da desgraça que viria" durante a crise sanitária gerada pela covid-19. O depoimento foi interrompido após o político fazer uso de um habeas corpus concedido pelo STF.

No dia 10 de junho,Rosa Weber também havia concedido habeas corpus e autorizado o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), a não comparecer à CPI da Pandemia, frustrando o foco governista na comissão. 

No último sábado, o Brasil tornou-se o segundo país do mundo, atrás dos Estados Unidos, a ultrapassar a marca de 500 mil mortes em decorrência da covid-19 e se aproxima de 18 milhões de casos da doença. 

lf/as (Lusa, ots)

Leia mais