Roma reabrirá ao público mausoléu do Império Romano | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 02.05.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Roma reabrirá ao público mausoléu do Império Romano

Construído pelo imperador Augusto, local abriga ainda restos mortais de Vespasiano, Nero e Tibério. Monumento, fechado desde a década de 1970, será restaurado. Obra deve durar cerca de dois anos.

Mausoléu está abandonado

Mausoléu está abandonado

Após décadas de negligência, o mausoléu do primeiro imperador romano Augusto, localizado no centro histórico de Roma, será restaurado e aberto ao público nos próximos dois anos, anunciaram nesta terça-feira (02/05) autoridades da capital italiana.

A estrutura, próximo ao rio Tibre, é composta por corredores circulares e um sepulcro no centro. Desde a década de 1970, o local está fechado para o público, devido a preocupações em relação a questões de segurança. Abandonado, o mausoléu foi tomado por árvores, mato e lixo.

"Roma volta a cuidar de seu patrimônio deixado para nós pelo passado. Espero que o mausoléu retorne o mais breve possível às pessoas", afirmou a prefeita da cidade, Virgina Raggi.

Augusto, que viveu entre 63 a.C e 14 d.C, construiu o mausoléu para si próprio e para a família imperial. O local abriga ainda os restos mortais e cinzas dos imperadores Vespasiano, Nero e Tibério, indicados por placas de mármore.

Restauração deve durar dois anos

Restauração deve durar dois anos

Augusto tinha 35 anos quando o mausoléu foi construído, logo após sua vitória na Batalha de Ácio, quando ele se defendeu das tropas de Marco Antônio e Cleópatra. A vitória consolidou seu poder e trouxe paz e estabilidade ao Império Romano.

O mausoléu, que originalmente possuía 90 metros de diâmetro e 45 metros de altura, possuía uma escultura de bronze de Augusto no teto. Sua localização apresenta uma grande visibilidade de Roma. Durante séculos, o momento teve diferentes usos, como fortaleza, para touradas ou espetáculos artísticos.

O monumento chegou a ser restaurado a pedido do ditador Benito Mussolini, que construiu uma praça ao seu redor. Depois da Segunda Guerra Mundial, o mausoléu ficou abandonado e acabou fechado ao público anos mais tarde.

A restauração do monumento custará pouco mais de 10 milhões de euros e será financiada com fundos municipais e federais, além da doação de 6 milhões de euros feita pela empresa de telefonia móvel TIM. O mausoléu receberá ainda um museu, elevadores e uma loja.

CN/ap/dpa

Leia mais