Rohani pede unidade no aniversário da Revolução Islâmica | Notícias internacionais e análises | DW | 11.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Rohani pede unidade no aniversário da Revolução Islâmica

Em discurso, presidente do Irã pede aproximação entre conservadores e reformistas e tenta acalmar ânimos após recente onda de violentos protestos antigoverno. Manifestantes queimam bandeiras dos EUA e de Israel.

Hassan Rohani

Rohani: ""Peço que o 40º ano da Revolução, o próximo ano, seja um ano de unidade"

O presidente do Irã, Hassan Rohani, pediu unidade ao discursar neste domingo (11/02), dia em que o país comemora o 39º aniversário da Revolução Islâmica, após uma onda de protestos antigoverno no final de dezembro e no início de janeiro.

"Peço que o 40º ano da Revolução, o próximo ano, seja um ano de unidade", disse o presidente diante de uma multidão na capital Teerã.

Com suas declarações, Rohani pareceu tentar acalmar os ânimos após o início de ano marcado por protestos. As manifestações inicialmente tiveram como alvo o desemprego e a política econômica, mas logo se voltaram contra o governo teocrático do país.

Em seu discurso, o presidente prometeu mais empregos e melhores condições econômicas num futuro próximo. Enquanto Rohani falava, dezenas de linhas-duras gritavam: "Morte aos mentirosos, morte aos sediciosos". A recente onda de protestos violentos resultou em milhares de detenções e ao menos 25 mortes.

"Os Estados Unidos queriam interferir nos nossos assuntos estatais. Mas eles falharam por causa da consciência e da unidade da nossa nação", disse Rohani ecoando a alegação de Teerã de que os recentes protestos foram instigados do exterior.

Centenas de milhares saíram às ruas neste domingo para comemorar o aniversário da Revolução. Manifestantes queimaram bandeiras americanas e israelenses, assim como imagens do presidente Donald Trump, que recentemente se recusou a recertificar o acordo nuclear firmado entre Irã e potências mundiais.

Tais atos são comuns no aniversário da Revolução Islâmica de 1979, que derrubou ao xá Mohammad Reza Pahlavi e instaurou no Irã um regime teocrático, que sempre manteve uma postura hostil em relação aos Estados Unidos e inaugurou um período de hostilidade entre Teerã e o Ocidente.

Discurso de Hassan Rohani

Rohani discursou para multidão na capital Teerã

Unidade entre espectros políticos

Rohani, que chegou à presidência em 2013 e foi reeleito no ano passado com o apoio dos reformistas, foi alvo de duras críticas dos conservadores por seus esforços para restabelecer relações com o Ocidente e aumentar as liberdades civis.

Neste domingo, o presidente pediu unidade entre todos os espectros políticos, dos linhas-duras que apoiam o governo teocrático aos reformistas que defendem mudanças. "Peço a conservadores, reformistas, moderados e a todos os partidos e todas as pessoas se mantenham juntos", disse.

O presidente pediu que os conservadores não impeçam candidatos reformistas de participar de futuras eleições. O Conselho dos Guardiães da Constituição, dominado pelos conservadores, tem o poder de vetar candidatos, e no passado impediu que centenas de reformistas concorressem à presidência e ao Parlamento.

"Quando a Revolução aconteceu, empurramos alguns que não deveríamos para fora do trem revolucionário. Hoje, temos que deixa-los embarcar no trem novamente", disse Rohani em Teerã.

Rohani não especificou quem foi empurrado para fora, mas a Revolução Islâmica e o período pós-revolucionário foram marcado por islamistas em torno do aiatolá Ruhollah Khomeini expurgando liberais e comunistas.

Questão síria

Ao discursar, o presidente não mencionou os ataques realizados por Israel na Síria neste sábado, que tiveram postos iranianos e sírios como alvo. Os bombardeios representam o mais sério enfrentamento entre Israel e forças apoiadas por Damasco nos sete anos de guerra civil na Síria.

O Exército sírio disse ter derrubado um caça israelense F-16 após Israel ter supostamente derrubado um drone iraniano que teria entrado no espaço aéreo israelense. Teerã nega a acusação de Israel, afirmando que sua atuação na Síria é apenas de aconselhamento.

LPF/efe/ap/afp

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais