República Tcheca elege seu ″Trump″ | Notícias internacionais e análises | DW | 22.10.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

República Tcheca

República Tcheca elege seu "Trump"

Em eleição marcada por duro golpe em partidos tradicionais, bilionário de discurso populista, antiestabilishment e que põe em questão integração europeia deve se tornar o próximo primeiro-ministro.

Babis deposita seu voto em Praga: fortuna é estimada em mais de 4 bilhões de euros

Babis deposita seu voto em Praga: fortuna é estimada em mais de 4 bilhões de euros

Um partido antiestabilishment, que com frequência põe em questão a integração europeia e fundado por um oligarca bilionário de discurso populista foi o grande vencedor neste sábado (21/10) das eleições legislativas na República Tcheca.

O partido ANO obteve quase 30% dos votos, o que é suficiente para que seu fundador, o empresário Andrej Babis, de 63 anos, lidere um governo de coalizão. A vitória está sendo encarada como uma guinada à direita na política tcheca.

De retórica muitas vezes comparada à de Donald Trump, Babis chegou à vitória após uma campanha marcada por um discurso contra a corrupção, o euro, os imigrantes e os demais partidos políticos, os quais acusa de não fazerem nada, senão sustentar um sistema corrupto.

O resultado confirma o baque para as legendas tradicionais: o social-democrata CSSD, do atual premiê Bohuslav Sobotka, obteve apenas 7,5% dos votos (queda de 13 pontos frente a 2013), e os liberal-conservadores do ODS ficaram na casa dos 11%.

O terceiro colocado foi o SPD, um partido considerado xenófobo e antieuropeu, com 10% dos votos. É com ele que provavelmente Andrej Babis e sua Aliança de Cidadãos Descontentes, como é chamado seu partido, devem começar as negociações para formar governo.

"Estou feliz que os tchecos não acreditaram na campanha de desinformação contra a gente e expressaram sua confiança em nós", declarou Babis no discurso de vitória. "Somos um movimento democrático, pró-Europa e pró-Otan", completou o candidato, que ao longo da campanha várias vezes ds opôs a uma maior integração na União Europeia.

Um populista num país de satisfeitos

Comparada pelo jornal Washington Post com a ascensão de Donald Trump  ("ele parece muito com o presidente americano"), sua campanha foi centrada no lema "agora ou nunca", e ele conseguiu atingir também os eleitores da ala mais eurocética ao prometer que a República Tcheca não aceitaria o euro e ao defender uma Europa que "não trate ninguém como cidadão de segunda classe".

Nas eleições de 2013, Babis já havia chocado o meio político tcheco ao ficar em segundo lugar, com 18% dos votos. Isso lhe possibilitou formar governo com os social-democrata e os democrata-cristãos, o que lhe rendeu o cargo de ministro das Finanças. Mesmo no governo, ele conseguiu manter o discurso antiestabilishment focando em reformas econômicas e combate à corrupção.

Assistir ao vídeo 00:41

O que é populismo?

Enquanto ascendia na atual campanha, Babis se tornou alvo de uma investigação da Justiça tcheca sobre crimes fiscais e uso fraudulento de recursos europeus. Indiciado num processo que diz ter motivação política, ele acabou afastado do cargo em maio passado.

Observadores apontam como curioso o fato de a forte queda dos partidos tradicionais e o fortalecimento de Babis, o segundo homem mais rico do país, acontecerem justamente no momento no qual cerca de 80% dos tchecos se declaram satisfeitos com sua situação pessoal.

"Estas eleições estão vazias de temas reais, a divisão entre direita e esquerda desapareceu completamente, e os temas principais foram dois: Babis  e o comércio do medo", afirma Jiri Pehe, analista político e diretor da New York University de Praga.

O "comércio do medo" consiste, segundo o analista, em "criar ameaças virtuais - como os imigrantes, o islã, o terrorismo, o medo de adotar o euro como moeda – e alguns políticos que lutam contra elas". Mas na República Tcheca, completa Pehe, "não há migração, quase não há muçulmanos, não há ataques terroristas e o euro seria politicamente benéfico".

Em 2015, auge da crise migratória, um sistema de solidariedade entre os membros da UE foi criado como solução para aliviar a pressão sobre Grécia e Itália, países que, por sua posição geográfica, mais recebem refugiados. O objetivo era realocar 160 mil refugiados, mas a falta de vontade política – sobretudo por parte dos países do Leste europeu – fez com que ainda se esteja longe da meta. Desde 2015, Hungria e Polônia receberam apenas um refugiado realocado cada, e a República Tcheca se retirou do programa após dar abrigo a 12.

RPR/dpa/ots 

-----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados