Relatório sobre pobreza desencadeia debate entre partidos | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 26.06.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Relatório sobre pobreza desencadeia debate entre partidos

Governo se preocupa com aumento do abismo entre ricos e pobres no país. Assunto divide coalizão: democrata-cristãos defendem redução de impostos, social-democratas querem introduzir salário mínimo.

default

Pedinte na cidade de Gelsenkirchen: pobreza aumenta

Embora o conceito de pobreza possa variar enormemente de país para país, o governo alemão mostra-se preocupado com o relatório que aponta que 13% da população do país é pobre. Dentro da União Européia, é considerado pobre todo aquele que dispõe de menos de 60% da renda média do país. Na Alemanha, essa renda média equivale a 781 euros por pessoa ou 1.640 euros mensais para uma família com duas crianças abaixo de 14 anos.

"É claro que a pobreza é relativa e que ela não é na Alemanha a mesma coisa que na Somália ou em Bangladesh. Não são situações comparáveis, mas mesmo assim a pobreza é um assunto sério no país, porque há pessoas impossibilitadas de ascender socialmente. E a essas pessoas precisamos dar chances, principalmente através de ofertas de educação e formação", diz Hubertus Heil, secretário-geral do Partido Social Democrata (SPD).

Fatores de risco

Uma das questões mais relevantes para os políticos do país é o chamado "risco contínuo de pobreza", que subiu consideravelmente no país de 2000 a 2005. Há certos fatores de risco, como mulheres que criam seus filhos sozinhas ou pessoas sem qualquer formação profissional. Além, é claro, do desemprego. "O mais importante é dar ocupação. Ação social é oferecer trabalho", comenta Erwin Huber, presidente da União Social Cristã (CDU).

Frau reinigt Stand für ein Luxus Artikel Auktionshaus Armut in Deutschland

Faxineira limpa casa de leilões: cada vez mais luxo e mais pobreza no país

Outra constatação do recente relatório divulgado no país é a tendência constante de redução da classe média, num cenário em que a base e o ápice da pirâmide social tendem a aumentar, ou seja, os que ganham muito e os que ganham muito pouco. Rico na Alemanha é todo aquele que ganha mais do que o dobro do salário médio do país. Ou seja, para uma pessoa que vive sozinha, 2.602 euros mensais.

Os números das estatísticas são considerados por vários especialistas como inexatos. O Instituto Alemão de Pesquisa Econômica (DIW) criticou o estudo recentemente publicado. O Instituto registra o índice de pobreza no ano de 2006 em aproximadamente 18,6% da população.

Medidas

Os métodos a serem usados para combater a pobreza vêm sendo debatidos pelos partidos que formam a coalizão de governo. O representante da CDU, Michael Fuchs, em entrevista à rede de televisão ZDF, defendeu um "alívio da situação da classe média", através de reduções fiscais.

Já os social-democratas se posicionam contra a redução dos impostos, pleiteando um aumento dos impostos sobre herança e sobre grandes fortunas. "Temos um problema de pobreza e riqueza. Alguns têm de menos, outros demais", finaliza Ernst Dieter Rossmann, presidente da ala esquerda do SPD.

Leia mais