Relatório isenta pilotos de culpa na queda do Boeing da Ethiopian | Notícias internacionais e análises | DW | 04.04.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Relatório isenta pilotos de culpa na queda do Boeing da Ethiopian

Governo da Etiópia afirma que tripulação seguiu procedimentos recomendados pelo fabricante americano e atribui queda da aeronave 737 MAX 8 à falha no software de controle automático.

Dagmawit Moges fala à imprensa em Adis Abeba

Dagmawit Moges: "A tripulação realizou repetidas vezes todos os procedimentos fornecidos pelo fabricante"

Um relatório preliminar do governo da Etiópia divulgado nesta quinta-feira (04/04) afirma que os pilotos do voo da Ethiopian Airlines que caiu após a decolagem, no mês passado, matando todas as 157 pessoas a bordo, seguiram os procedimentos recomendados pela fabricante da aeronave, mas mesmo assim não conseguiram evitar a queda.

"A tripulação realizou repetidas vezes todos os procedimentos fornecidos pelo fabricante, mas não conseguiu controlar a aeronave", afirmou a ministra dos Transportes da Etiópia, Dagmawit Moges, em Adis Abeba. O relatório foi elaborado com base nos registros do Boeing 737 MAX 8 acidentado no dia 10 de março.

"Uma falha seguida no software de controle automático de voo da aeronave fez com que o procedimento de parada fosse ativado, o que causou a queda da aeronave", afirmou Moges, atribuindo a queda a uma falha técnica.

Os investigadores avaliam o papel do controle de sistema de voo conhecido pelo acrônimo MCAS, que, em determinadas circunstâncias, podem fazer com que a frente, ou o "nariz" do avião, seja direcionada para baixo a fim de evitar uma perda de sustentação aerodinâmica (estol).

Os investigadores etíopes não mencionaram diretamente o MCAS no relatório, mas recomendaram à Boeing que reavalie "o sistema de controle de voo relacionado à controlabilidade" da aeronave 737 MAX 8. A empresa americana fez correções no software, que ainda necessitam de aprovação pelas agências reguladoras nos Estados Unidos.

Essas são as primeiras conclusões divulgadas após a investigação das caixas-pretas do avião, que está sendo realizada na França.

Mais de 50 países interditaram seus espaços aéreos para aeronaves desse modelo ou viram suas companhias nacionais suspenderem o uso dos aviões. Essas decisões foram tomadas em razão das preocupações com essas aeronaves após a queda do voo da Ethiopian Airlines e de outro acidente semelhante ocorrido menos de seis meses antes num voo da companhia indonésia Lion Air, que deixou 189 mortos. Ambos os aviões caíram minutos após decolarem.

A Boeing está sendo investigada pelos Departamentos de Justiça e de Transportes dos Estados Unidos, além de comitês do Congresso americano. As investigações também avaliam o papel da Administração Federal de Aviação dos EUA, que aprovou o 737 MAX em 2017 e se recusou a proibir sua utilização após o primeiro acidente com o avião em outubro.

O 737 é o avião de passageiros moderno mais vendido do mundo e é considerado um dos mais confiáveis. A série MAX, lançada em 2017, é a versão mais recente do bimotor de corredor único da Boeing e já recebeu mais de cinco mil pedidos de cerca de cem clientes.

A série é mais eficiente em termos de combustível em comparação com seus antecessores e há quatro variantes: MAX 7, MAX 8, MAX 9 e MAX 10, que podem transportar entre 138 e 204 passageiros e foram projetadas para voos de curta e média distância.

RC/ap/dw/efe

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais