Relatório critica as mães alemãs | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 25.04.2006

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Relatório critica as mães alemãs

Relatório do ministério alemão da Família avalia a necessidade de revisão do programa de incentivo financeiro à família e critica mães alemãs por pouca disposição ao trabalho e pouco tempo para os filhos.

Pensando demais em si mesmas?

Pensando demais em si mesmas?

A ministra alemã da Família, Ursula von der Leyen, apresentou nesta terça-feira (25/04), em Berlim, o sétimo relatório do governo sobre o incentivo à formação familiar e reavaliar a estrutura de apoio financeiro à família no país.

Von der Leyen pleiteia a criação de um benefício seguindo o modelo escandinavo de compensação salarial e critica o fato de apenas as mães – e não os pais – terem de abrir mão de sua independência financeira.

Revisão geral

Familienministerin Ursula von der Leyen

A ministra Ursula von der Leyen

Forçado pelos resultados insatisfatórios, principalmente na comparação com outros países europeus, o governo alemão quer agora empreender uma revisão geral dos benefícios concedidos à família.

Segundo o atual relatório, outros países teriam obtido resultados mais satisfatórios com base em critérios como taxa de natalidade, compatibilidade entre família e vida profissional, e nível educacional, mesmo tendo investindo quantias menores.

A cada ano, o incentivo à família custa a Berlim 150 bilhões de euros. Mas, segundo o jornal Rheinische Post, que menciona o documento de 600 páginas, "investimentos financeiros até hoje não fizeram com que os jovens alemães vissem a criação de uma família como parte de um projeto de vida conjunto, tal como na França, na Dinamarca, na Suécia, na Holanda e no Reino Unido".

Solução é concentrar

O projeto de reforma do governo conta com o apoio de especialistas que sugerem que o auxílio financeiro à família não deve dar-se através de uma miríade de pequenos incentivos, mas que o governo avalie quais fases do desenvolvimento familiar justifiquem um maior investimento e se concentre nelas. Para isso, está sendo avaliada inclusive a criação de uma "poupança familiar".

A partir de 2007, o governo alemão pretende criar um novo incentivo a quem tira licença no primeiro ano do filho: trata-se de uma ajuda financeira correspondente a 67% do salário líquido obtido até então pelos pais, não ultrapassando 1,8 mil euros ao mês.

Este apoio deverá ser concedida durante 10 ou 12 meses, desde que tanto a mãe como o pai se licenciem do trabalho (por exemplo, a mãe por 10 meses e o pai, por dois). A medida visa envolver também o pai na educação dos filhos.

Mães trabalham muito pouco?

Kindergarten in Deutschland

Vagas em creches cada vez mais difíceis

Ainda segundo o Rheinische Post, o relatório critica não só a pouca disposição das mães em trabalhar fora, mas também o pouco tempo que dedicam aos filhos. Se França, Suécia, Noruega e Finlândia, onde há mais mães empregadas do que na Alemanha, as mulheres passam em média 2,5 horas por dia com seus filhos, na Alemanha este tempo médio é de apenas 2 horas e 18 minutos.

Além disso, a dificuldade de conciliar a vida profissional e a maternidade estariam deixando de ser o principal motivo para não se ter filhos. O próprio desejo de ser mãe é que diminuiu na Alemanha, aponta o relatório.

Enquanto em outros países europeus estudos mostram que para mulheres entre 20 e 34 anos o número de filhos em uma "família ideal" é de 2,5 filhos, no oeste alemão este índice não passa de 1,7 e no Leste, 1,6 filho. Entre os homens alemães da mesma faixa etária, a "família ideal" deveria ter apenas 1,5 filho, observa o relatório do ministério alemão da Família.

Leia mais