Reino Unido vai testar ″passaportes sanitários″ | Notícias internacionais e análises | DW | 04.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Europa

Reino Unido vai testar "passaportes sanitários"

Plano prevê que vacinados ou pessoas com teste negativo possam frequentar eventos fechados. Sistema será testado em cinema e semifinal da Copa da Inglaterra. Medida, no entanto, é crítica por especialistas e políticos.

UK Boris Johnson AstraZeneca

"Estamos fazendo tudo o que podemos para permitir que nosso país (...) reabra da forma mais segura possível", disse o premiê Boris Johnson

O governo britânico vai começar a testar este mês passaportes de covid-19 em eventos no âmbito da estratégia de redução gradual das restrições no país, onde metade da população adulta já tomou a primeira dose da vacina.

Com estes "passaportes", as pessoas poderão comprovar que foram vacinadas, que têm um teste negativo para a covid-19 ou anticorpos após vencer a doença, segundo a imprensa do país.

O objetivo é que esses "atestados" possam contribuir para o regresso seguro dos espectadores a eventos como jogos de futebol, conferências, cinemas ou até mesmo casas nortunas, sem que haja necessidade de impor medidas mais drásticas de distanciamento social.

Um plano-piloto dos passaportes deve ser lançado este mês e se estender até maio para testar a seguraça da medida. Entre os eventos que estarão incluídos está a semifinal da Copa da Inglaterra no estádio de Wembley, uma noite em uma casa noturna, um cinema, um campeonato de sinuca em Sheffield e uma conferência em Liverpool.

No momento, o Sistema Nacional de Saúde (NHS na sigla em inglês) britânico está elaborando um sistema para permitir que as pessoas demonstrem a sua situação de saúde em relação à covid-19 através de um app ou de um certificado em papel. Transportes públicos e serviços essenciais não poderão exigir o passaporte.

O governo do premiê Boris Johnson também está ouvindo especialistas para saber como lidar com a ausência destes certificados no caso das pessoas que não podem ser vacinadas.

Os detalhes do plano de desconfinamento deverão ser revelados na segunda-feira (05/04) por Johnson, incluindo novas normas para autorizações de viagens de e ao exterior, proibidas pelo menos até 17 de maio. "Estamos fazendo tudo o que podemos para permitir que nosso país (...) reabra da forma mais segura possível", disse o líder conservador em um comunicado.

Mas o projeto do passaporte sanitário foi recebido com hostilidade por mais de 70 deputados britânicos, que o consideram "discriminatório". Especialistas também afirmaram à imprensa local que a estratégia pode criar uma "falsa sensação de segurança" entre os cidadãos. Alguns jornais também levantaram o temor que os certificados possam ser falsificados.

O Reino Unido é um dos países europeus mais afetados pela pandemia. O país acumula 4,3 milhões de casos da doença e 126 mil mortes. O ritmo do avanço da doença, no entanto, tem diminuído. Neste domingo, o país registrou apenas 10 mortes de pessoas que testaram positivo nos últimos 28 dias. Foram registrados ainda 3.423 novos casos.

jps (lusa, afp)

Leia mais