Refugiados têm seu próprio time olímpico | DW Brasil | Notícias e análises do Brasil e do mundo | DW | 14.06.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Refugiados têm seu próprio time olímpico

Alguns atletas tiveram que fugir de seus países, mas isso não vai impedi-los de competir nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Conheça o time de refugiados.

Assistir ao vídeo 02:17

Alguns atletas que fugiram de seus países de origem foram escolhidos para fazer parte do time olímpico de refugiados e, agora, vão competir em 12 modalidades nos Jogos de Tóquio. Saeid Fazloula, que fugiu do Irã e foi para a Alemanha em 2015, está entre os selecionados. Ele dedicou os últimos 17 anos de sua vida ao esporte profissional e, na Alemanha, a canoagem continuou sendo sua paixão.

"Treinamos de segunda a sábado, de três a quatro vezes por dia, cada sessão dura de uma hora a uma hora e meia. E nas quartas-feiras temos meio dia de folga. Temos sempre treinos de musculação, corrida e remo", afirma Saeid Fazloula.

Saeid fez um novo amigo na Alemanha, o ex-campeão olímpico de canoagem Detlef Hofmann, que está sempre por perto quando Saeid precisa de motivação.

"Há um mês e meio, eu estava deprimido e tenso. E fui até Detlef e falei: 'Eu quero desistir do Campeonato Mundial. Não aguento mais.' Detlef me disse: oitavo ou nono lugar seria ótimo. Mas não desista.' Emoção e motivação estavam lá, e eu disse: 'Ok, esta é minha primeira e última chance. Eu vou usá-la e mostrar quem sou.' Mais do que isso não posso fazer. E funcionou", frisou Saeid.

Ele ficou em oitavo lugar no Campeonato Mundial em 2018 e, agora, está determinado a dar seu melhor também em Tóquio.