Recontagem confirma vitória de Biden em Wisconsin | Notícias internacionais e análises | DW | 29.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Estados Unidos

Recontagem confirma vitória de Biden em Wisconsin

Democrata recebe cerca de 20,6 mil votos a mais do que Donald Trump no estado e ampliou vantagem após recontagem. Campanha do republicano disse que pretende recorrer do resultado.

A recontagem dos votos em Wisconsin terminou neste domingo (29/11) e confirmou a vitória de Joe Biden. O democrata recebeu cerca de 20,6 mil votos a mais do que o presidente americano, Donald Trump, neste estado-chave.

No final, a recontagem de mais de 800 mil votos acabou ampliando em 87 votos a vantagem de Biden sobre Trump.

"Como dizemos, a recontagem serviu apenas para confirmar a vitória de Joe Biden em Wisconsin", afirmou a chefe de campanha do democrata no estado, Danielle Melfi.

Antes mesmo do fim da recontagem, Trump ameaçou entrar na Justiça contra o resultado, alegando, sem provas, de que vários eleitores votaram ilegalmente no estado. O presidente contesta principalmente os votos enviados pelo correio. A campanha do republicano ainda não se manifestou se realmente entrará com uma ação neste sentido.

O prazo para a certificação do resultado no estado termina na próxima terça-feira. Uma aliança conservadora entrou com uma ação judicial para tentar barrar esse processo.

Trump acumula fracassos em suas tentativas de contestar o resultado eleitoral na Justiça. Na mais recente, a Suprema Corte da Pensilvânia rejeitou no sábado uma ação movida por republicanos que pedia que os votos por correspondência fossem anulados ou que as cédulas enviadas pelo correio fossem invalidadas e a escolha do vencedor na Pensilvânia fosse transferida para os legisladores estaduais.

O presidente eleito, o democrata Joe Biden, venceu na Pensilvânia com uma vantagem de mais de 80 mil votos. O tribunal rejeitou as duas demandas, chamando a segunda de "surpreendente", por buscar "arrebatar o sufrágio dos 6,9 milhões de eleitores que votaram na Pensilvânia".

Na sexta-feira, um tribunal federal de apelações na Filadélfia rejeitou outro recurso judicial de Trump que alegava que as eleições foram injustas no estado, argumentando que os observadores de campanha republicana não conseguiram fiscalizar as apurações de votos enviados por correio em dois bastiões democratas.

Depois de quase um mês alegando ser o vencedor, Trump afirmou pela primeira vez na quinta-feira que deixará a Casa Branca caso o Colégio Eleitoral vote no democrata. Ele, porém, manteve a tese de que houve fraude na eleição presidencial de 3 de novembro.

"Certamente o farei e vocês sabem disso", disse Trump quando um dos repórteres lhe perguntou se ele deixaria a Casa Branca caso Biden seja declarado vencedor em 14 de dezembro pelo Colégio Eleitoral. Ele afirmou ainda – embora não haja nenhuma evidência de corrupção eleitoral nos EUA –, que isso será "algo muito difícil" de admitir, porque "houve fraude massiva" na eleição presidencial.

CN/rtr/ap

Leia mais