″Rambo da Floresta Negra″ é condenado a três anos de prisão | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 19.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

"Rambo da Floresta Negra" é condenado a três anos de prisão

Homem de 32 anos vivia ilegalmente numa cabana, desarmou quatro policiais e se refugiou na mata por cinco dias. Operação policial envolveu 2.500 agentes, e demora na captura causou constrangimento à polícia alemã.

Yves R., apelidado de Rambo da Floresta Negra, algemado durante seu julgamento

Yves R., de 32 anos, tinha antecedentes criminais e vivia ilegalmente numa cabana na floresta após ter sido despejado

Um homem que desarmou quatro policiais e depois passou cinco dias escondido na Floresta Negra, no sul da Alemanha, no ano passado foi condenado nesta sexta-feira (19/02) a três anos de prisão. O "Rambo da Floresta", como ficou conhecido, foi declarado culpado de tomada de reféns, lesão corporal grave e posse não autorizada de armas, pelo tribunal regional de Offenburg, no estado de Baden-Württemberg, no sul da Alemanha.

Na época do crime, em julho de 2020, o homem havia sido despejado de seu apartamento por não pagar o aluguel e passou a viver ilegalmente numa cabana na floresta. Após moradores terem alertado a polícia sobre um homem vestindo roupas de camuflagem e armado com um arco e flecha e facas que estava rondando Offenburg de maneira suspeita, agentes abordaram Yves R. na cabana.

Policiais foram averiguar a denúncia e verificaram a identidade do suspeito. As autoridades relataram que o homem cooperou inicialmente, mas de repente sacou uma arma, ameaçou os policiais e obrigou-os a entregar suas armas de serviço. O homem então fugiu para a floresta.

Constrangimento para a polícia alemã

O episódio deu início a uma megaoperação de busca, que envolveu cerca de 2.500 agentes, helicópteros, cães farejadores e unidades táticas de elite. A detenção ocorreu cinco dias depois numa mata perto da cidade de Oppenau.

A destreza em desarmar forças de segurança e a capacidade de se esconder por vários dias na floresta renderam ao fugitivo o apelido de "Rambo da Floresta Negra". Ele também feriu um policial das forças táticas de elite no pé com um machado.

O caso gerou certo constrangimento para a polícia alemã, que admitiu que o suspeito vinha sendo bem-sucedido em despistar os agentes de segurança graças ao seu conhecimento da área.

"Ele vive na floresta. E a floresta é a sala de estar dele. É por isso que, considerando o terreno intransitável e às vezes íngreme, é difícil encontrá-lo rapidamente", disse na época o comissário de polícia de Offenburg, Reinhard Renter. Além do terreno acidentado, a região é repleta de cavernas e velhos bunkers que datam da época da Segunda Guerra Mundial.

Antecedentes criminais e transtorno de personalidade

Yves R. tinha múltiplos antecedentes criminais. Ele foi condenado a uma sentença de 3 anos e meio em 2010, após ter atirado com uma besta contra uma mulher, de acordo com promotores alemães. 

Durante o julgamento, o "Rambo da Floresta Negra" disse que havia desarmado os policiais numa ação não planejada pelo puro medo de ser preso e ter que retornar à cadeia. Ele afirmou também que não teve a intenção de machucar ninguém com as armas. Ele relatou que morava na cabana na floresta há algum tempo e que estava se preparando para uma caminhada pela Alemanha.

A defesa pediu por uma pena suspensa de um ano e meio, sob a alegação que a acusação de ter tomado reféns era plausível, pois em nenhum momento um sequestro foi consumado. Durante o processo, um perito atestou que o acusado tinha um transtorno de personalidade e o considerou apenas parcialmente imputável.

pv/lf (DPA, AFP, AP, ots)

Leia mais