Rússia lança telescópio espacial alemão para mapear cosmo | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 13.07.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Ciência

Rússia lança telescópio espacial alemão para mapear cosmo

Satélite científico russo Spektr-RG substituiu antecessor inoperante desde janeiro. A bordo, telescópio eROSITA, de fabricação alemã, permitirá traçar "mapa celeste completo" no espectro dos raios X.

Lançamento do observatório espacial russo Spektr-RG, tendo a bordo telescópio de raios X alemão eROSITA

Satélite russo tem a bordo telescópio de raios X alemão eROSITA

A Rússia lançou com sucesso, neste sábado (13/07), o observatório espacial Spektr-RG, com o telescópio alemão eROSITA, informou a agência espacial Roscosmos.

Após dois adiamentos, o lançamento realizou-se às 15h31 de Moscou (9h31 em Brasília) a partir da base de Baikonur, no Cazaquistão. Poucos minutos depois da decolagem, o observatório espacial com o bloco acelerador se separaram com sucesso do foguete.

Em conjunto com o telescópio russo ART-XC, o eROSITA, dotado de sete detectores de raios X, permitirá observar mais de 100 mil clusters galácticos e obter imagens de milhões de buracos-negros, grupos de galáxias e estrelas de nêutrons mortos, marcando "o início de uma nova era na astronomia de raios X", segundo comunicado do Instituto Max Planck de Física Extraterrestre, em Munique, que forneceu o instrumento.

Telescópio espacial eROSITA, do Instituto Max Planck de Física Extraterrestre

eROSITA foi criado pelo Instituto Max Planck de Física Extraterrestre

Enumerando à agência de notícias russa Interfax as possibilidades que traz o Spektr-RG, o cientista russo Rashid Siunayev antecipou: "Em seis meses teremos um mapa completo do céu no espectro dos raios X. Se tudo sair como o esperado, veremos milhões de fontes. Esperamos ver cerca de 3 milhões de buracos negros."

Segundo o programa de voo teuto-russo, o satélite orbitará no chamado ponto de Lagrange (L2) do sistema solar, a 1,5 milhão de quilômetros da Terra, posição ideal para a observação do universo profundo.

Os especialistas russos esperam que o Spektr-RG esteja em operação por, no mínimo, quatro anos, a fim de confeccionar um mapa detalhado do universo, ajudando a compreender melhor sua evolução. Ele vem substituir o Spektr-R russo, semelhante ao Hubble, que deixara de reagir ao controle de solo em janeiro. O atual lançamento foi adiado em duas ocasiões, em 21 de junho e 12 de julho.

AV/efe,afp,dpa

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais