1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
O cruzador de mísseis russo Moskva, em foto de novembro de 2021
O cruzador de mísseis russo Moskva, em foto de novembro de 2021Foto: Alexey Pavlishak/REUTERS
ConflitosUcrânia

Rússia confirma que seu navio de guerra "Moskva" afundou

14 de abril de 2022

Ucrânia diz ter atingido com mísseis o mais importante navio russo nas águas ao sul do país, enquanto Moscou fala em explosões causadas por incêndio a bordo. Tripulação já havia sido removida da embarcação.

https://www.dw.com/pt-br/r%C3%BAssia-confirma-que-seu-navio-de-guerra-moskva-afundou/a-61473008

O navio mais importante da Marinha russa no Mar Negro, o cruzador de mísseis Moskva, localizado no sul da Ucrânia, afundou após ter sido "seriamente danificado" por uma explosão a bordo, informou nesta quinta-feira (14/04) o Ministério da Defesa russo, segundo a mídia estatal da Rússia.

A Ucrânia disse que havia atingido com mísseis o mais importante navio russo nas águas ao sul do país, enquanto Moscou fala em detonação de munição causada por um incêndio a bordo.

"O cruzador Moskva estava sendo rebocado ao seu porto de destino e perdeu estabilidade devido a danos ao seu casco provocados durante incêndio em decorrência da detonação de munição. O navio afundou enquanto havia uma tempestade", afirmou o Ministério da Defesa russo, que diz ainda investigar as causas do incêndio. A tripulação já havia sido evacuada para outras embarcações no Mar Negro.

Mais cedo, o governador de Odessa, na Ucrânia, havia dito que forças ucranianas atingiram o Moskva com mísseis. "Mísseis Netuno protegendo o Mar Negro causaram danos muito sérios ao navio russo. Glória à Ucrânia!", escreveu o governador Maksym Marchenko no Telegram.

Um porta-voz da administração militar de Odessa, Serguei Bratchuk, também disse no Telegram que, "de acordo com os dados disponíveis, a causa dos 'danos graves' foram os mísseis de cruzeiro domésticos 'Netuno'".

Já o conselheiro presidencial ucraniano Oleksiy Arestovych afirmou apenas que "uma surpresa aconteceu" com o Moskva. "Ele queima fortemente. Agora mesmo. E com este mar tempestuoso, não se sabe se eles poderão receber ajuda", declarou em uma transmissão no YouTube.

O naufrágio do cruzador de mísseis é um grande golpe para a Rússia, depois de o porta-tanques Orsk ter sido atingido e incendiado em um ataque em Berdyansk, no Mar de Azov, no final de março.

A Marinha russa tem lançado mísseis de cruzeiro na Ucrânia, e suas atividades no Mar Negro são cruciais para apoiar as operações em terra no sul do país, onde luta para assumir o controle total do porto de Mariupol.

Tropas russas na Ucrânia

Navio da era soviética

O Moskva foi originalmente construído na era soviética em Mykolaiv, na Ucrânia, e entrou em serviço no início dos anos 1980, segundo a imprensa russa. Com uma tripulação de cerca de 500 pessoas, a embarcação foi anteriormente utilizada na guerra da Síria, onde serviu como proteção naval para a base aérea de Hmeimim das forças russas.

O cruzador de mísseis carrega 16 mísseis antinavio P-1000 Vulkan, bem como uma série de armas antissubmarino e outros tipos de armas, segundo relatos.

O Moskva ganhou notoriedade no início da guerra na Ucrânia quando exigiu a rendição das tropas de fronteira ucranianas que defendiam a estratégica Ilha das Serpentes, mas estas se recusaram desafiadoramente.

Acreditava-se inicialmente que os soldados em questão haviam sido mortos, mas na verdade foram capturados. Eles foram libertados como parte de uma troca de prisioneiros com a Rússia no final de março, segundo o Parlamento ucraniano.

A ombudswoman de direitos humanos da Ucrânia, Lyudmyla Denisova, disse que os soldados descreveram ter sido levados para um local desconhecido, onde foram mantidos em condições de baixíssimas temperaturas.

ek/lf (AFP, AP, Reuters)