Quão atuais são as teorias de Karl Marx? | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 04.05.2018

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Quão atuais são as teorias de Karl Marx?

Exploração, fetichismo da mercadoria, templos do consumismo. Cidades que são ao mesmo tempo destino dos sonhos para turistas, e um pesadelo para a classe trabalhadora. O que Marx diria hoje sobre a disparidades salarial entre homens e mulheres ou sobre a inteligência artificial?

Assistir ao vídeo 05:58

Poucos pensadores polarizaram e mudaram o mundo de forma tão intensa como Karl Marx. Suas ideias foram recebidas com entusiasmo por uns, tratadas com desprezo por outros e pervertidas por ditaduras.

Marx conhecia de perto a luta cotidiana pela sobrevivência e via a exploração dos trabalhadores por parte de industriais gananciosos. Ainda hoje, as pessoas trabalham muito e recebem pouco, muitos têm mais de um emprego. E isso não só em países em desenvolvimento, como também na Europa. Uma situação que piorou após a crise financeira em 2008-2009. De acordo com a pesquisadora Lucia Pradella, "a crise levou ao aumento da exploração. Porque um dos efeitos da crise não foi apenas o corte nos serviços sociais, a redução dos salários e assim por diante, mas também o aumento das horas de trabalho. O número de pessoas que trabalham mais de 48 horas por semana aumentou alguns milhões após a crise.”

Nina Power, renomada teórica social e filósofa que estuda o marxismo e a causa feminista, opina sobre o que Marx teria dito sobre a disparidade salarial e a desigualdade entre homens e mulheres. "O patriarcado e o capitalismo combinam muito, eles se amam. Na verdade, o que o capitalismo faz - com ajuda do patriarcado e da religião - é reforçar as diferenças entre homens e mulheres. E tratar as mulheres como propriedade com base na capacidade de reprodução. Tanto Marx quanto Engels perceberam isso", comenta.