Pyongyang desafia EUA e testa míssil | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 29.04.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ásia

Pyongyang desafia EUA e testa míssil

Foguete de médio alcance norte-coreano explode logo após lançamento, segundo fontes militares americanas e sul-coreanas. Trump diz que, com novo teste, Kim Jong-un desrespeita a China e seu presidente.

Nordkorea provoziert mit weiterem Raketentest (Getty Images/AFP/Str.)

Imagem não datada, fornecida por agência de notícias estatal da Coreia do Norte

Em desafio às recentes advertências das Nações Unidas e de Washington, Pyongyang realizou neste sábado (29/04), às 5h30 (hora local, 17h30 de Brasília, na sexta-feira) um novo teste de míssil balístico que aparentemente explodiu minutos depois de seu lançamento, segundo fontes militares sul-coreanas e americanas.

"O míssil não deixou o território norte-coreano" e não representou uma ameaça para os Estados Unidos, afirmou o comandante Dave Benham, do Comando do Pacífico dos EUA.

Em reação ao lançamento, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que, com seu novo teste, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, desrespeitou a China.

"A Coreia do Norte não respeitou a vontade da China nem de seu estimado presidente [Xi Jinping] ao lançar hoje, embora sem sucesso, um míssil", disse Trump, em mensagem no Twitter.

O desejo de Pequim, no entanto, parece se dirigir a ambas as partes, quando o ministro do Exterior chinês, Wang Yi, disse: "O uso da força não resolve diferenças e levará somente a desastres maiores." Ele deixou claro que a China não quer ser vista como único árbitro de paz na Ásia Oriental, ao afirmar: "A chave para a resolução da questão nuclear na península não está na mão dos chineses."

Embora Pyongyang já tenha testado vários mísseis, o lançamento deste sábado vem em meio a altas tensões com Washington, considerado que o novo presidente americano assumiu uma linha mais dura frente à Coreia do Norte do que seu antecessor.

Conversas duras na ONU

Em reunião no Conselho de Segurança das Nações Unidas, nesta sexta-feira, diplomatas americanos e japoneses pediram uma ação mais dura frente à provocação norte-coreana.

Assistir ao vídeo 01:16
Ao vivo agora
01:16 min

Coreia do Norte divulga novo vídeo ameaçando os EUA

"Preferimos muito mais uma solução negociada para este problema, mas estamos comprometidos com a nossa defesa e a de nossos aliados", declarou na ocasião o secretário de Estado americano, Rex Tillerson. Anteriormente, Tillerson havia advertido que a política de "paciência estratégica" de Washington estava chegando ao fim.

"Nos últimos 20 anos, os esforços para desmantelar o programa [nuclear] falharam, acrescentou o secretário de Estado, apelando por sanções econômicas mais fortes. "Com cada teste, a Coreia do Norte empurra a Ásia para um mundo mais próximo de um conflito", constatou Tillerson.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, também exortou a Coreia do Norte a "parar imediatamente os testes", afirmando que o grêmio internacional iria "ajudar de qualquer forma possível."

Após o lançamento fracassado do míssil, a Coreia do Sul alertou imediatamente a comunidade internacional que, se não for adotada uma postura mais rígida perante o programa armamentista de Pyongyang, "vamos apenas alimentar ainda mais o regime beligerante" de Kim Jong-un.

O governo japonês também emitiu um comunicado, dizendo que a Coreia do Norte havia violado resoluções da ONU e condenando o teste em termos inequívocos.

CA/ap/afp/rtr/efe/dw

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados