Putin diz que cogitou colocar arsenal nuclear em alerta | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 16.03.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Putin diz que cogitou colocar arsenal nuclear em alerta

Presidente afirma que esteve prestes a tomar a decisão por temer intervenção ocidental na Crimeia, em março de 2014. Vida de Yanukovytch foi salva pelos russos, afirma.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse que considerou deixar armas nucleares em estado de alerta durante a crise que resultou na anexação da península da Crimeia, em março de 2014.

"Estávamos prontos para fazê-lo" caso houvesse um "desenvolvimento menos favorável dos acontecimentos", afirmou o presidente num documentário de quase três horas de duração exibido pela rede de televisão estatal russa neste domingo (15/03). Ele se referia à uma possível intervenção militar na Crimeia por países ocidentais, o que não aconteceu.

Putin disse que teve várias conversas telefônicas com líderes internacionais. "Esse é nosso território histórico, e cidadãos russos vivem lá, eles estavam em perigo e nós não podemos abandoná-los", disse Putin, sobre sua argumentação com os demais líderes. Ele afirmou que sua posição foi franca e aberta. "É por isso que acredito que ninguém teve a intenção de iniciar uma guerra mundial."

No documentário intitulado A caminho de casa, o presidente disse que a Rússia salvou a vida do ex-presidente Viktor Yanukovytch, depois da tomada de poder pelos "revolucionários" que protestaram por vários meses contra a recusa do governo ucraniano de assinar um acordo de associação com a União Europeia. "Ficou claro para nós, uma vez que recebemos informações de que havia planos não apenas para a sua captura, mas também para sua eliminação."

A anexação da Crimeia, levada adiante após um referendo realizado em 16 de março de 2014, é apontada por alguns observadores como sendo o estopim para a guerra civil no leste da Ucrânia, que já causou mais de seis mil mortes desde abril.

RC/rtr/afp/lusa

Leia mais