Protestos dos coletes amarelos perdem força na França | Notícias internacionais e análises | DW | 29.12.2018

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Europa

Protestos dos coletes amarelos perdem força na França

Sétimo sábado de manifestações reúne apenas mil pessoas em Paris. Articuladores esperam que o movimento contra governo Macron seja retomado com força em janeiro 

Gelbwesten in Frankreich Protest (Reuters/C. Hartmann)

No primeiro fim de semana de protestos, em 17 de novembro, 282 mil saíram às ruas do país

Os "coletes amarelos" voltaram a se manifestar neste sábado (29/12) em várias cidades da França contra a política social e fiscal do presidente Emmanuel Macron. Mas o sétimo sábado de manifestações também explicitou um declínio significativo no número de participantes.

Apenas mil de pessoas saíram às ruas de Paris durante a tarde. Números similares foram registrados em Marselha e Lyon. Apenas Bordeaux contou com uma presença maior: 2.400 pessoas, segundo o governo local.

Até mesmo o número de incidentes foi reduzido. Até o fim da tarde, apenas 17 pessoas haviam sido presas no país. Em Paris, a polícia disparou gás lacrimogênio em alguns manifestantes que arremessaram objetos. O mesmo ocorreu em Nantes e Rouen.

Os números contrastam com os protestos anteriores, que também já haviam registrando um declínio constante no número de participantes. O sexto sábado de manifestações, em 22 de dezembro, havia contado com 38.600 pessoas em toda a França. Na semana anterior foram 66 mil. No primeiro fim de semana de protestos, em 17 de novembro, 282 mil saíram às ruas.

Segundo vários membros do movimento, a desmobilização se deve às festas de Natal. Elles preveem que a mobilização seja retomada com força em janeiro, mesmo após o governo Macron ter feito uma série de concessões.

"Todos devem entender que não vamos parar", assegurou o mecânico Thierry, de 51 anos. "Queremos recuperar poder aquisitivo e que nossa palavra conte na tomada de decisões", disse Priscillia Ludosky, uma das figuras do movimento, que conseguiu temporariamente forccar o governo a suspender o aumento de impostos sobre combustíveis.

Alguns "coletes amarelos" também planejam se manifestar na véspera do Ano Novo, durante a qual são esperadas várias concentrações de manifestantes na avenida Champs-Élysées, em Paris.

JPS/afp/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais