Proposta de reforma da zona do euro será apresentada até junho | Notícias internacionais e análises | DW | 28.04.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Proposta de reforma da zona do euro será apresentada até junho

Otimistas em superar as divergências, Alemanha e França prometem entregar um plano conjunto a tempo da próxima cúpula da UE, daqui a dois meses. Ideias ousadas do presidente francês enfrentam ceticismo em Berlim.

A zona do euro é constituída por 19 países-membros

A zona do euro é constituída por 19 países-membros

Apesar das divergências entre Alemanha e França quanto ao futuro da União Europeia (UE), os ministros das Finanças dos dois países se comprometeram neste sábado (28/04) a apresentar uma proposta conjunta de reformas da zona do euro até junho, a tempo da próxima cúpula do bloco.

A confirmação de um plano conjunto vem em meio a rumores de que as diferenças entre as duas potências seriam grandes demais para sustentar um acordo, e após resistência alemã às propostas do presidente francês, Emmanuel Macron, para fortalecer a cooperação econômica e financeira na UE.

Leia também:

 O que divide Merkel e Macron

Como Macron e Merkel querem mudar zona do euro

"Acreditamos firmemente que poderemos chegar a um acordo entre Alemanha e França antes do próximo encontro [entre os líderes europeus]", disse o ministro francês das Finanças, Bruno Le Maire, em coletiva de imprensa ao lado de Olaf Scholz, seu homólogo em Berlim.

Segundo Scholz, "é absolutamente importante que Alemanha e França concordem nas questões". "Estamos muito otimistas de que teremos sucesso", destacou o ministro alemão.

Os ministros das Finanças alemão e francês após encontro na Bulgária

Os ministros das Finanças alemão e francês em encontro na Bulgária: "Unidos permanecemos fortes"

O político informou ainda que Le Maire viajará a Berlim para ambos discutirem a questão. "Se você olhar a agenda, verá que essa reunião é desesperadamente necessária para obtermos sucesso no final", disse ele, ao fim de um encontro entre ministros europeus em Sófia, na Bulgária.

A próxima cúpula entre os líderes europeus está marcada para 28 e 29 de junho, em Bruxelas. Macron já havia prometido apresentar, antes da cimeira, um conjunto de reformas que a França considera necessárias para "reiniciar" a Europa após a saída do Reino Unido do bloco.

Menos de duas semanas atrás, o presidente francês se reuniu com a chanceler federal alemã, Angela Merkel, em Berlim, para buscar apoio para suas propostas, sabendo que, sem um posicionamento comum entre Alemanha e França, nada avança na Europa.

Macron quer tornar a zona do euro mais resistente a crises, por isso exige um "roteiro" de reformas. O novo governo alemão, por sua vez, também se comprometeu com uma "guinada para a Europa", declarando-se basicamente pronto a prestar contribuições mais altas para o orçamento da UE.

Ainda assim, é grande o ceticismo entre amplas parcelas do governo. O argumento dos críticos – principalmente a base conservadora alemã – é que os planos de Macron não batem com os interesses da Alemanha, obrigando os contribuintes nacionais a pagar a conta pelos outros países.

Merkel e Macron, em reunião em Berlim em 19 de abril

Merkel e Macron, em reunião em Berlim em 19 de abril

Um dos pontos especialmente defendidos pelo presidente francês – e que encontram resistência entre os políticos alemães – é estabelecer um orçamento conjunto para a zona do euro. Com isso, a união monetária teria um meio de combater crises econômicas e financiar investimentos futuros, afirma Macron. Ainda não está claro de onde o dinheiro viria.

A visão do líder francês é de uma Europa de duas velocidades, permitindo que os países dispostos a uma maior integração adotem as medidas propostas, enquanto os demais teriam a opção de manter seu status quo.

Macron também tem falado frequentemente na criação do cargo de ministro das Finanças para a zona do euro, mas a ideia, muito criticada por membros do governo alemão, foi significativamente enfraquecida.

Em termos das reformas da união monetária, o presidente acredita que um Parlamento separado, composto por membros dos Estados da zona do euro, permitiria decidir sobre questões que não dizem respeito aos membros que não adotaram a moeda única.

Alemanha e França, responsáveis por cerca de 50% da produção europeia, costumam dar demonstrações de unidade política e de compartilhar das mesmas intenções, mas o problema frequentemente está nos detalhes.

EK/afp/dpa/lusa/dw

________________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App |Instagram

Leia mais