Promotoria espanhola pede dois anos de prisão para Neymar | Siga a cobertura dos principais eventos esportivos mundiais | DW | 23.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Promotoria espanhola pede dois anos de prisão para Neymar

Atacante brasileiro responde por corrupção e fraude em sua transferência do Santos para o Barcelona. Acusação pede ainda o pagamento de uma multa de 10 milhões de euros.

Neymar em jogo da seleção contra a África do Sul nos Jogos Olímpicos de 2016 (Reuters/U. Marcelino)

Neymar pode enfrentar dois anos de prisão em caso de corrupção

O Ministério Público espanhol pediu nesta quarta-feira (23/11) dois anos de prisão e 10 milhões de euros de multa a Neymar, e cinco anos para o ex-presidente do Barcelona Sandro Rosell, por crimes de corrupção e fraude na contratação do atacante brasileiro.

A queixa havia sido realizada pelo fundo brasileiro DIS, que possuía 40% dos direitos federativos de Neymar na época de sua transferência do Santos para o clube catalão em 2013.

O promotor da Audiência Nacional José Perals reivindica ainda o pagamento de 8,4 milhões de euros de multa para o clube espanhol e 7 milhões para o Santos. Perals, no entanto, pediu o arquivamento da causa para o atual presidente do Barcelona, Josep María Bartomeu, por falta de indícios contra ele.

As autoridades também solicitaram dois anos de prisão para o pai de Neymar e um ano para sua mãe, ambos pelo crime de corrupção, além de reivindicarem a cada um deles a mesma multa de 10 milhões de euros que o promotor pediu para o jogador e requisitarem uma multa de 1,4 milhão de euros para a empresa familiar N&N.

A DIS alega ter sido enganada quanto ao valor real da transferência. Inicialmente, o Barcelona anunciou custos de 57,1 milhões de euros, 17,1 dos quais teriam sido pagos a Santos e o restante à N&N. As autoridades espanholas, contudo, acreditam que os custos chegaram a 83,3 milhões. O DIS recebeu 6,8 milhões, 40% do que foi pago a Santos.

A decisão é mais um revés para a imagem do clube, assim como do jogador, que assinou um novo contrato para permanecer no Barcelona até 2021.

IP/efe/afp/ap

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados