Projeto abrigará três religiões sob o mesmo teto em Berlim | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 03.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Religião

Projeto abrigará três religiões sob o mesmo teto em Berlim

Capital alemã dá início aos preparativos para a construção de um tempo multirreligioso que deverá unir cristãos, judeus e muçulmanos.

Painel de informações no local de construção da House of One em Berlim.

Painel de informações no local de construção da House of One em Berlim

As escavadeiras devem entrar em operação em breve. Por mais de dez anos, a ideia de um templo multirreligioso para as três religiões monoteístas – Judaísmo, Cristianismo e Islamismo – foi planejada, discutida e anunciada em Berlim. Depois de alguns atrasos, mais recentemente devido à pandemia de covid-19, o projeto no coração da velha Berlim será enfim concretizado: em janeiro de 2021, será dado início a construção do templo, anunciou o diretor administrativo da House of One (Casa de Um Só), Roland Stolte. 

O anúncio foi feito na primeira reunião de um conselho de curadores da fundação, que é chefiada pelo prefeito berlinense Michael Müller. Entre os 20 membros, estão representantes proeminentes das três religiões, além de representantes de destaque da paisagem cultural de Berlim, como o diretor geral do Fórum Humboldt, a diretora do Museu Judaico e o presidente da Fundação do Patrimônio Cultural da Prússia. 

Para a capital alemã, onde não há pontos de contato entre religião e cultura, trata-se de algo notável. O prefeito de Berlim se mostrou "muito entusiasmado com a ideia" do projeto multirreligioso. "Onde senão aqui?", disse Müller. Como elemento do encontro, a House of One representará um "grande enriquecimento" para a cidade, acrescentou.

Botão vermelho é pressionado pelos líderes das três religiões envolvidas no projeto House of One durante cerimônia destinada a marcar o início dos trabalhos

Botão vermelho é pressionado pelos líderes das três religiões durante cerimônia destinada a marcar o início do projeto

O projeto, que é único no mundo em tal formato, encontrou seu espaço no coração da cidade. Lá, onde por anos quem passava pela avenida Leipziger Strasse, com suas seis faixas ligando as praças Alexanderplatz e Potsdamer Platz, via apenas um terreno baldio. Foi neste local, afinal, situado no centro da antiga Berlim, que esteve por mais de 700 anos a histórica Igreja de São Pedro.

Sobre os restos arqueológicos da Igreja de São Pedro, deverá ser erguida em cinco anos uma casa comum para cristãos, judeus e muçulmanos, com direito a igreja, sinagoga e mesquita. O edifício será constituído por três ambientes ao redor de uma sala central e deverá se erguer por 40 metros rumo ao céu, tornando-se assim um símbolo de união. Previstos em 43,5 milhões de euros, os custos da obra já foram em grande parte assegurados.

Após ataques sangrentos

A reunião do conselho se deu de forma virtual, "sem ambiente agradável, nem recepção", como disse Müller. "Mas não queríamos adiar para o Dia de São Nunca", justificou. Que se trata de algo urgente ficou claro nos numerosos e breves discursos dos membros do Conselho de Curadores. Em comentários reflexivos, foram abordados conflitos globais, como os assassinatos em Dresden, Paris e Nice, que envolveram jovens islâmicos. 
O diretor da Academia Católica de Berlim, Joachim Haake, pediu um diálogo sério e aberto entre as religiões amigas. "Precisamos desesperadamente desse tipo de cultura de debate em vista do endurecimento da política de identidade."

Mouhanad Khorchide, um estudioso islâmico de Münster, espera que o novo templo ecumênico sirva como estímulo teológico para despir o Islã de sua reivindicação de exclusividade. 

Ilustração de como deverá se parecer o edifício da fundação House of One em Berlim.

Até 40 metros de altura – é assim que o edifício deve ficar

Para o imã Kadir Sanchi, da House of One, os muçulmanos têm uma responsabilidade especial, pois sua religião está sendo "instrumentalizada". Neste sentido, a House of One, segundo ele, pretende proteger os jovens do extremismo e avançar no trabalho de prevenção. 

"Contra o terror e a violência, colocamos respeito mútuo e caridade", disse o rabino Andreas Nachama, o principal chefe religioso judeu do projeto.

Atenção mundial

O futuro edifício ainda existe apenas como modelo. Mas as colaborações internacionais existem há muito tempo. Há intercâmbios regulares para Bangui, na República Centro-Africana, onde cristãos e muçulmanos planejam uma casa religiosa semelhante. Há conversas com uma academia em Tbilisi, Geórgia, e com a Universidade Técnica de Haifa, sobre um "Garden of One" na cidade portuária israelense. 

Khorchide, por sua vez, mostrou-se convencido de que a cooperação entre as religiões em Berlim também poderá fortalecer os esforços voltados ao diálogo na Península Arábica. Projetos como a House of One oferecem "espaços e ideias indispensáveis para a cooperação de religiões e visões de mundo", disse a teóloga Hamideh Mohagheghi, natural de Teerã e radicada na cidade alemã de Paderborn. 

Os idealizadores do projeto esperam que, assim que as obras estiverem em andamento, aumente o interesse pela cidade e surjam novas conexões internacionais. A pedra fundamental do novo prédio deverá ser oficialmente colocada sobre as antigas ruínas no final de maio de 2021.  


 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados