Proibição de véu islâmico entra em vigor na Dinamarca | Notícias internacionais e análises | DW | 01.08.2018

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Europa

Proibição de véu islâmico entra em vigor na Dinamarca

Uso de burca e niqab, que cobrem o rosto, em locais públicos passa a ser punido com multa. Protestos contra a nova lei estão previstos em Copenhague e outras cidades. Críticos classificam medida de discriminatória.

Mulher de burca

Poucas mulheres usam burca e outros véus completos na Dinamarca

A proibição do uso de véus integrais islâmicos entrou em vigor nesta quarta-feira (1º/08) na Dinamarca, dois meses após a aprovação no Parlamento, em meio a protestos.

Aprovada em 31 de maio, a lei proíbe o uso de burca e niqab em espaços públicos, à semelhança do que já aconteceu em outros países europeus, como Áustria, França e Bélgica. Infratores poderão ser punidos.

Protestos estão previstos em cidades como Copenhague e Aarhus. Alguns manifestantes planejam cobrir totalmente o rosto. A polícia afirmou que a atitude é compatível com a liberdade de expressão e não será punida, mas quem estiver com o rosto totalmente coberto fora de uma manifestação poderá ser multado.

A partir desta quarta-feira, quem utilizar peças de roupa ou acessórios que impossibilitem o reconhecimento – incluindo balaclavas, capacetes ou barbas falsas – fica sujeito a uma multa mínima de mil coroas dinamarquesas (cerca de 590 reais). Em caso de reincidência, a multa pode chegar às 10 mil coroas (cerca de 5.900 reais).

A lei ressalva que vestimentas e acessórios para cobrir o rosto podem ser usados se houver um "propósito reconhecível", como frio intenso ou a condução de motos.

Assim como em outros países europeus, poucas mulheres muçulmanas na Dinamarca de fato usam véus que cobrem inteiramente o rosto. Em 2010, um relatório estimou que elas não cheguem a duzentas. A população do país é de 5,7 milhões de pessoas.

O deputado liberal Marcus Knuth, da bancada governista, afirmou que a vestimenta é "fortemente opressiva". Já o ativista Sasha Andersen disse que se trata de uma medida discriminatória que visa uma minoria social.

A lei foi proposta pela coalizão de centro-direita que governa o país e que tem endurecido regras para migração e refúgio. Em 2016, a Dinamarca adotou uma lei que exige de requerentes de refúgio recém-chegados que entreguem objetos de valor para ajudar a pagar pela sua estada no país.

Defensores da lei argumentaram que ela contribui para a integração de migrantes muçulmanos, o que é contestado por organizações como a Anistia Internacional (AI).

"Se algumas restrições específicas sobre o uso de véu total podem servir a questões de segurança pública, esta proibição não é necessária nem proporcional e viola os direitos da liberdade de expressão e religião", disse o diretor europeu da AI, Gauri van Gulik.

AS/lusa/dpa/ap

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais