Produção global de cocaína alcança novo recorde, diz ONU | Notícias internacionais e análises | DW | 26.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Produção global de cocaína alcança novo recorde, diz ONU

Segundo relatório, produção de cocaína aumentou 50% em uma década, sendo 70% provenientes da Colômbia. Opioides são as drogas que mais causam mortes mundo afora, e maconha é a mais popular.

Pacotes de cocaína

Segundo a ONU, em 2017, a quantidade de cocaína apreendida aumentou 13% em relação ao ano anterior

A produção global de cocaína foi recorde em 2017, chegando a 1.976 toneladas, o que significa um aumento de 25% em relação ao ano anterior e de 50% em uma década, aponta o Relatório Mundial da ONU sobre Drogas, divulgado nesta terça-feira (26/06).

O aumento ocorreu apesar dos esforços na Colômbia – país responsável por 70% da produção da droga – para afastar as comunidades rurais do plantio de coca através da substituição por outras culturas.

De 2007 para 2017, a quantidade da droga apreendida no mundo todo aumentou 74%. Somente em 2017, 1.275 toneladas de cocaína foram apreendidas pelas autoridades, 13% a mais que ano anterior.

"Isso sugere que os esforços dos agentes de segurança se tornaram mais eficientes e que o reforço da cooperação internacional pode estar contribuindo para o aumento nos índices de interceptação", diz o documento. Quase 90% das apreensões ocorreram no continente americano, sendo que 38% apenas na Colômbia. 

A produção da droga chegou a diminuir em algumas regiões colombianas após o acordo de paz entre o governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em 2016, quando os produtores receberam incentivos para substituírem o cultivo de coca. Mas, segundo o relatório, desde então, surgiram novas plantações administradas por grupos criminosos que ocuparam áreas anteriormente dominadas pelos rebeldes.

O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) avalia que o aumento das apreensões é uma indicação de que "a quantidade de cocaína disponível para o consumo aumentou mais lentamente do que a produção". "Enquanto as apreensões de cocaína aumentaram 74% na última década, a produção cresceu 50%", ressalta o relatório.

Segundo o UNODC, as mortes vinculadas ao consumo de drogas em todo o mundo subiram para 585 mil em 2017, superando as 450 mil registradas em 2015. O aumento, porém, se deve também a uma melhora na avaliação global, após países como Índia e Nigéria também passarem a contribuir com o fornecimento de dados para pesquisa.

Em 2017, 271 milhões de pessoas com idade entre 15 e 64 anos – ou seja, 5,5% da população mundial nessa faixa etária – consumiram drogas. O número é parecido com o do ano anterior, mas é 30% maior se comparado aos dados de 2009.

Com a inclusão dos dados da Nigéria e da Índia, o número de pessoas com dependência química grave passou de 30,5 para 35 milhões de pessoas.

Com 188 milhões de usuários, a maconha é a droga mais popular em todo o mundo. As mais letais são os opiodes, responsáveis por dois terços das mortes associadas ao uso de drogas.

A "epidemia" dos opioides

A crise de opioides nos Estados Unidos e no Canadá foi destaque no relatório. Estimativas indicam que, em 2017, 4% de todos os americanos adultos consumiram ao menos uma vez alguma tipo de opioide, como, por exemplo, analgésicos sintéticos como o fentanil, que chegam a ser 50 vezes mais fortes do que a heroína.

Das 70.237 mortes por overdose registradas nos EUA em 2017, 47,6 mil foram por causa dos opioides, ou seja, números 13% superiores aos do ano anterior.

Angela Me, chefe do Departamento de Estatísticas e Pesquisas do UNODC e autora do relatório, afirma que a overdose de droga na América do Norte já alcançou "dimensões de epidemia", e alertou que existem indícios de um aumento do consumo do fentanil na Europa.

A produção de ópio também alcançou novos recordes, sendo que o maior produtor da droga do mundo é o Afeganistão, com 568 toneladas em 2017, seguido do México e de Myanmar.

O UNODC afirma ser difícil fazer estimativas sobre as drogas sintéticas, as mais consumidas na Ásia, mas avalia que o aumento das apreensões e a diminuição dos preços indicam que há um mercado em contínua expansão.

O relatório alerta para uma nova epidemia invisível de opioides na África, causada por um analgésico chamado tramadol, que, apesar de pouco conhecido, requer ações urgentes. O mercado dessas drogas aumenta rapidamente, não apenas na África Ocidental e Central, mas também no Oriente Médio.

A ONU alerta para o fracasso dos métodos de prevenção e tratamento em muitas partes do mundo. Apenas uma em cada sete pessoas com dependência química grave está atualmente em tratamento, afirma a instituição.

RC/efe/dpa/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais