Procuradoria analisa se vai recomendar extradição de ex-líder catalão | Notícias internacionais e análises | DW | 31.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Procuradoria analisa se vai recomendar extradição de ex-líder catalão

Decisão sobre o retorno do independentista Carles Puigdemont à Espanha está nas mãos do Judiciário alemão. Advogado pede que Merkel não autorize extradição.

Begien Carles Puigdemont ARCHIV (Reuters/Y. Herman)

Carles Puigdemont, em fotografia de 2017.

A Procuradoria Geral do Estado de Schleswig Holstein, no Norte da Alemanha, espera poder apresentar na terça-feira (02/03) ao tribunal um parecer sobre a extradição do ex-chefe de governo da Catalunha, Carles Puigdemont, informou o vice-procurador geral, Ralph Döpper.

A Procuradoria ainda está analisando a ordem de detenção e extradição emitida pela Espanha, para determinar se vai recomendar a tramitação da extradição ao tribunal de Schleswig, em cujas mãos estará a decisão definitiva.

 "Ainda estamos trabalhando nesse processo e confiamos que poderemos apresentar a nossa decisão na terça-feira", afirmou Döpper, cuja equipae está estudando a documentação remetida pela justiça espanhola, que processou Puidgemont pelos crimes de rebelião e desvio de fundos públicos.

Desde que foi detido, no último domingo (25/03) depois de chegar à Alemanha vindo da Dinamarca, Carles Puidgemont aguarda uma decisão sobre o seu futuro na prisão de Neumünster.

 O tribunal de primeira instância dessa localidade decidiu que o político deveria permanecer na prisão enquanto o caso é avaliado, por considerar que existe perigo de fuga.

 O advogado do catalão, Wolfgang Schomburg, pediu ao governo da chanceler federal Angela Merkel que não autorize a extradição, se o tribunal a determinar.

Hoje, Carles Puigdemont advertiu, por meio da rede social Twitter, que não irá desistir, nem renunciar ou retirar-se perante a "atuação ilegítima de quem perdeu nas urnas".

"Que seja claro: não desistirei, não renunciarei, não me retirarei perante a atuação ilegítima de quem perdeu nas urnas ou antes da arbitrariedade de quem está disposto o preço de abandonar o Estado de direito e a justiça pela unidade da pátria", disse.

 Em 27 de outubro de 2017, Madrid decidiu intervir na Comunidade Autónoma da Catalunha, por meio da dissolução do parlamento regional, da destituição do Executivo regional e da convocação de eleições regionais que foram realizadas em 21 de dezembro.

___________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

JPS/lusa

Leia mais