Presidente do STF marca julgamento de habeas corpus de Lula | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 21.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Presidente do STF marca julgamento de habeas corpus de Lula

Plenário analisará nesta quinta-feira pedido da defesa do ex-presidente, condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Cármen Lúcia afirma que tomou decisão devido à urgência da solicitação.

Lula

Em janeiro, Lula foi condenado em segunda instância a 12 anos e um mês de prisão

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, marcou nesta quarta-feira (21/03) a votação de um pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para impedir preventivamente a sua prisão quando se esgotarem os recursos contra sua condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O habeas corpus será analisado pelo plenário do STF nesta quinta-feira. Cármen Lúcia anunciou a decisão no início da sessão e usou a urgência do pedido como justificativa.

Leia também: "Caso de Lula pode fazer STF rever prisão após 2ª instância"

Após o anúncio, o ministro Marco Aurélio pediu que sejam julgadas também duas ações declaratórias de constitucionalidade (ADCs) de sua relatoria que tratam da possibilidade de pessoas condenadas em segunda instância pela Justiça, como é o caso de Lula, começarem de imediato a cumprir suas penas, antes do trânsito em julgado.

As duas ADCs foram liberadas para julgamento em dezembro, mas ainda não foram pautadas. "Fica o apelo que faço como relator para que liquidemos e afastemos esse impasse que só gera insegurança jurídica", destacou Marco Aurélio.

Condenação

No dia 24 de janeiro, Lula foi condenado em segunda instância a 12 anos e um mês de prisão pelos desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) no caso que envolve suspeita de pagamento de propina por meio de um apartamento tríplex no Guarujá.

Logo após a condenação, a defesa de Lula havia entrado com um primeiro pedido de habeas corpus preventivo. Na ocasião, o vice-presidente do STJ, Humberto Martins, negou o pedido em decisão provisória. A defesa recorreu, levando o caso a ser analisado pela 5ª Turma do STJ, que, no início de março, negou novamente a solicitação.

A defesa do petista explorou também a via do STF e no início de fevereiro  fez o pedido de habeas corpus ao tribunal, que também foi rejeitado por Edson Fachin. O ministro negou o pedido, mas ao tempo remeteu uma decisão final ao plenário da Corte, que analisará o caso nesta quinta-feira.

Lula também ainda recorre da sentença no próprio TRF-4, mas como a decisão pela condenação no tribunal foi unânime, o pedido da defesa serve apenas para ganhar tempo e esclarecer alguns pontos da sentença, sem possibilidade de mudar o resultado. Em tese, o presidente pode vir a ser preso quando esse procedimento acabar. O tribunal marcou o julgamento do recurso para a próxima segunda-feira. 

A possibilidade de prisão ocorre em função de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de 2016, que validou a prisão de condenados em segunda instância, mesmo que ainda existam opções de recursos em instâncias superiores.

CN/abr/ots

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App