Presidente alemão alerta para novos muros | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 03.10.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Presidente alemão alerta para novos muros

Em festa pelos 27 anos da Reunificação, Steinmeier apela por debate franco sobre imigração e chama a atenção para as novas divisões que afligem a Alemanha. Evento ocorreu sob a sombra da ascensão dos populistas.

Steinmeier: O grande muro que atravessava o nosso país não existe mais. Mas novos muros surgiram

Steinmeier: "O grande muro que atravessava o nosso país não existe mais. Mas novos muros surgiram"

O presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, alertou nesta terça-feira (03/10), em cerimônia pelos 27 anos da Reunificação, sobre os novos muros que separam o país – "entre ricos e pobres, cidade e campo, online e offline".

O discurso foi feito na cidade de Mainz, no sudoeste da Alemanha. Ao lado da chanceler federal Angela Merkel e outras autoridades, Steinmeier evitou referência direta à ascensão dos populistas de direita nas eleições, mas não fugiu do tema.

"O grande muro que atravessava o nosso país não existe mais. Mas novos muros surgiram, menos visíveis, sem arames farpados e faixas da morte", discursou o presidente alemão.

Steinmeier tocou também na questão migratória e pediu um debate franco sobre "qual e quanta imigração" a Alemanha precisa. "Só quando levarmos a sério essas duas perguntas, vamos superar a polarização no atual debate", afirmou.

Tag der Deutschen Einheit in Mainz (Reuters/K. Pfaffenbach)

Merkel na chegada a Mainz

Geralmente festivo, o 3 de outubro, feriado nacional, foi ofuscado neste ano pelo forte desempenho dos nacionalistas da Alternativa para a Alemanha (AfD), um partido de retórica antimigração, nas últimas eleições alemãs.

Com mais de 12% dos votos, o partido entrou no Parlamento alemão pela primeira vez graças, em grande parte, ao bom desempenho em áreas rurais do leste do país, onde obteve votação expressiva de 22,5%.

Muitos moradores da região onde ficava a antiga Alemanha Oriental se sentem deixados para trás e alegam que sua condição de vida não melhorou de fato desde a reunificação alemã.

No leste alemão, o sentimento anti-imigrantes é maior do que no oeste, embora o número de estrangeiros vivendo ali seja bem menor do que o registrado na parte ocidental do país. Pesquisa de agosto do instituto Forsa mostrou que 55% dos moradores do leste não acreditam que os dois lados tenham crescido simultaneamente desde a Reunificação.

No evento em Mainz nesta terça-feira, Merkel, que cresceu na Alemanha Oriental, admitiu lacunas na Reunificação: "Podemos olhar para trás e dizer: muito da unificação funcionou bem, e isso deveria nos dar a força para resolver os problemas que ficaram."

Entre os principais problemas do Leste estão uma economia mais fraca, maior desemprego e uma queda na população, em parte por fuga de talentos – muitos jovens se mudam para o ocidente do país, em busca de melhores oportunidades de emprego.

Em 3 de outubro de 1990, a República Democrática Alemã (RDA) oficialmente aderiu à República Federal da Alemanha (RFA) – estava formalizada a Reunificação. Desde então, o povo alemão comemora o Dia da Unidade Alemã como seu feriado nacional. 

 

Leia mais