Populistas de direita atiçam temor contra muçulmanos na Europa | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 07.10.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Populistas de direita atiçam temor contra muçulmanos na Europa

Dizendo-se defensores dos valores europeus, supostamente ameaçados pelo islamismo, populistas atiçam o medo em relação aos imigrantes muçulmanos. O preconceito contra imigrantes de países islâmicos cresce na Europa.

default

Cada vez mais europeus consideram muçulmanos uma ameaça

Na Alemanha, a tese de Thilo Sarrazin, antigo secretário de Finanças de Berlim, sobre a indisposição de muçulmanos com vista à integração levantou ondas de debates; enquanto isso, na Holanda, o populista Geert Wilders teve que se defender na Justiça, no dia 4 de outubro, da acusação de semear o ódio contra muçulmanos.

E na Dinamarca, o Partido Popular Dinamarquês exige um limite para a imigração de muçulmanos. Na Europa, existem mais exemplos como estes que refletem uma rejeição aos muçulmanos, vistos como uma ameaça aos valores europeus. Cresce o medo da população diante de imigrantes vindos de países islâmicos.

Discurso presidencial

Em 3 de outubro se celebra, desde 1990, a reunificação alemã. Atualmente, o evento não se limita apenas à unidade entre Leste e Oeste, mas também àquela de todos que vivem na Alemanha, independente da origem e região.

Isso foi lembrado pelo presidente alemão, Christian Wulff, em seu discurso, proferido na solenidade de celebração da data. “Sem dúvida alguma, o cristianismo pertence à Alemanha, o judaísmo pertence à Alemanha; é a nossa história judaico-cristã. Entretanto, prezados senhores e senhoras, o islã também pertence à Alemanha”, disse Wulff.

NO FLASH Bundespräsident Christian Wulff Deutsche Einheit Rede

"O islã também pertence à Alemanha", disse Wulff em discurso no Dia da Unidade Alemã

Muitos alemães consideram muçulmanos um ônus

A realidade, porém, parece ser bastante diferente do discurso festivo. Tanto na Alemanha como em outros países europeus, a onda de populismo de direita antimuçulmano está aumentando, seus representantes têm cada vez mais influência nos governos e começam a formar suas redes de contato, como se vê no caso de Suécia e Holanda.

Um exemplo é que somente poucas horas depois do discurso do presidente alemão, o populista holandês Geert Wilders chegava a Berlim para advertir seus correligionários: “A identidade nacional da Alemanha, sua democracia e sua prosperidade econômica estão ameaçadas pela ideologia política do islã”, advertiu.

Não somente a plateia do auditório em que discursava aplaudiu Wilders: segundo uma sondagem recente, cerca de 55% dos alemães acham que a imigração muçulmana na Alemanha “representa um custo social e financeiro maior que o benefício econômico que traz”. A aceitação desta tese é maior nos estados da antiga Alemanha Oriental, onde cerca de 70% dos entrevistados aprovam essa ideia.

Racismo implícito

Segundo Werner Schiffauer, etnólogo da Universidade Europeia Viadrina, em Frankfurt no Oder, está ganhando cada vez mais aceitação na sociedade a ideia neoliberal de que cada um é “responsável pelo seu destino” e que, com isto, cada um é responsável por seus próprios problemas.

Essa maneira de pensar contribui, segundo ele, para um "racismo implícito, na medida em que se formam grupos que são comparados e valorizados de acordo com o seu rendimento”, afirma.

Falta de vontade política

Esta forma de ver as coisas é encontrada, conforme Schiffauer, não só entre os políticos liberais, mas também entre os social-democratas e os democrata-cristãos. Ele menciona, como exemplo, a associação entre o maior nível de desemprego verificado entre os muçulmanos com uma suposta falta de vontade de trabalhar dessa parcela da população, apesar de se estar comprovado, há muito tempo, lembra o etnólogo, que pessoas com um nome turco ou árabe enfrentam maior dificuldade de conseguir um emprego.

Geert Wilders Berlin

Populista holandês Geert Wilders em Berlim

Aiman Mazyek, presidente do Conselho Central dos Muçulmanos na Alemanha, acusa a classe política alemã de não querer assumir os fatos. “Não estamos diante de um problema de desconhecimento e sim ante à falta de vontade política de se colocar em prática o que já se sabe”, ressalta. Uma das ideias que, segundo Mazyek, deveriam ter sido implementadas, há muito tempo, se refere a aulas de religião islâmica em escolas alemãs. “O conhecimento de que necessitamos aulas de islã nas escolas alemãs já existe há décadas”, diz.

Tudo começou no 11 de setembro

Este processo se iniciou no 11 de setembro de 2001, afirma Schiffauer, e foi sendo acentuado com a profunda crise de identidade por que passou a União Europeia nos últimos anos. Uma ampliação rápida demais, em que o bloco duplicou de tamanho em curto espaço de tempo, e as lutas pela aprovação de um novo tratado constitucional contribuíram para que a população não soubesse direito quais são os valores europeus, opina o acadêmico.

Ele avalia que, dessa forma, passa a ser mais fácil “definir uma fronteira em relação ao outro e criar a imagem do inimigo clássico. E o muçulmano passa a incorporar, então, tudo o que vai contra os nossos valores, ele é homofóbico, misógino, antissemita, não é a favor da democracia e não trabalha”, exemplifica Schiffauer e ressalta que nesta imagem está baseado “o anti-islamismo que se expande pela Europa como um vírus”.

Este quadro não se baseia necessariamente na realidade, explica o catedrático. A prova disso, conforme explica Schiffauer, se encontra exatamente no Leste da Alemanha, onde quase não há muçulmanos, e a rejeição é, apesar disso, ainda maior. Assim, segundo ele, “o mesmo fenômeno se viu na ocasião da proibição dos minaretes na Suíça. As cidades onde vivem os muçulmanos foram as que protestaram contra a proibição, enquanto as que eram a favor dela não foram atingidas em nada em sua vida cotidiana”.

Autor: Peter Philipp (md)
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais