Populismo está em queda na Alemanha, mostra pesquisa | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 03.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Populismo está em queda na Alemanha, mostra pesquisa

Levantamento aponta que 20% dos eleitores alemães têm orientação política populista, um declínio drástico em relação ao índice de 2018. Partidos como a AfD, por outro lado, tenderão ainda mais à extrema direita.

Pessoas reunidas em protesto do Pegida em Dresden em julho de 2019

O populismo na Alemanha atingiu seu pico em novembro de 2018 e mostra um visível declínio desde o ano passado

A um ano das eleições federais de 2021 na Alemanha, o populismo está em queda no país europeu, após registrar um pico em 2018. O dado consta de um levantamento feito pelo instituto de pesquisas YouGov, divulgado nesta quinta-feira (03/09) pela Fundação Bertelsmann.

Hoje, 20,9% dos eleitores alemães têm orientação política populista – uma queda de 11,9 pontos percentuais em relação ao índice de dois anos atrás, quando 32,8% defendiam esses ideais.

Por sua vez, a proporção de eleitores não populistas cresceu consideravelmente, de 31,4% em 2018, para 47,1%, ou seja, quase metade dos alemães aptos a votar.

"A tendência de um clima político cada vez mais populista na Alemanha mudou", afirmou o especialista em democracia e coautor da pesquisa Robert Vehrkamp, em comunicado.

O chamado "Barômetro do Populismo" usa como base para o levantamento oito posições tipicamente populistas sobre a função do Estado e da sociedade. Os entrevistados são questionados sobre se concordam ou não com cada uma dessas declarações. Em junho, aproximadamente 10 mil eleitores foram consultados para a pesquisa.

O estudo considera populista, por exemplo, quem acredita na existência de uma "vontade popular" unificada e homogênea, quem assume posições antipluralistas, quem considera os políticos parte de uma "elite corrupta" movida pelos próprios interesses, e defende o exercício da soberania popular direta por meio de referendos.

Segundo a pesquisa, o declínio do populismo foi impulsionado especialmente entre os que se consideram politicamente de centro. Em 2018, o ideário populista havia registrado maior aumento justamente entre esse eleitorado.

"O centro, em particular, está provando ser capaz de aprender e ser firme para lidar com a tentação populista, e portanto está provando ser a pedra angular dessa mudança na opinião pública", explicou Vehrkamp. "A democracia liberal respondeu à mobilização populista com uma mobilização democrática, também e precisamente entre os que se consideram de centro."

O populismo na Alemanha atingiu seu pico em novembro de 2018 e tem demonstrado um visível declínio desde 2019 – ou seja, muito antes da pandemia de covid-19. "

A um ano das eleições federais de 2021 na Alemanha, o populismo está em queda no país europeu, após registrar um pico em 2018. O dado consta de um levantamento feito pelo instituto de pesquisas YouGov, divulgado nesta quinta-feira (03/09) pela Fundação Bertelsmann.

Hoje, 20,9% dos eleitores alemães têm orientação política populista – uma queda de 11,9 pontos percentuais em relação ao índice de dois anos atrás, quando 32,8% defendiam esses ideais.

Por sua vez, a proporção de eleitores não populistas cresceu consideravelmente, de 31,4% em 2018, para 47,1%, ou seja, quase metade dos alemães aptos a votar.

"A tendência de um clima político cada vez mais populista na Alemanha mudou", afirmou o especialista em democracia e coautor da pesquisa Robert Vehrkamp, em comunicado.

O chamado "Barômetro do Populismo" usa como base para o levantamento oito posições tipicamente populistas sobre a função do Estado e da sociedade. Os entrevistados são questionados sobre se concordam ou não com cada uma dessas declarações. Em junho, aproximadamente 10 mil eleitores foram consultados para a pesquisa.

O estudo considera populista, por exemplo, quem acredita na existência de uma "vontade popular" unificada e homogênea, quem assume posições antipluralistas, quem considera os políticos parte de uma "elite corrupta" movida pelos próprios interesses, e defende o exercício da soberania popular direta por meio de referendos.

Segundo a pesquisa, o declínio do populismo foi impulsionado especialmente entre os que se consideram politicamente de centro. Em 2018, o ideário populista havia registrado maior aumento justamente entre esse eleitorado.

"O centro, em particular, está provando ser capaz de aprender e ser firme para lidar com a tentação populista, e portanto está provando ser a pedra angular dessa mudança na opinião pública", explicou Vehrkamp. "A democracia liberal respondeu à mobilização populista com uma mobilização democrática, também e precisamente entre os que se consideram de centro."

O populismo na Alemanha atingiu seu pico em novembro de 2018 e tem demonstrado um visível declínio desde 2019 – ou seja, bem antes da pandemia de covid-19. "A crescente confiança no trabalho do governo durante a crise do coronavírus estabilizou e reforçou levemente essa mudança de tendência, mas não a desencadeou", disse o coautor.

A onda populista dos últimos anos na política alemã coincide com a ascensão de partidos anti-establishment, como o populista de direita e anti-imigração Alternativa para a Alemanha (AfD).

Campos políticos tradicionais – incluindo siglas como a União Democrata Cristã (CDU), da chanceler federal Angela Merkel, sua irmã bávara União Social Cristã (CSU), e o Partido Liberal Democrático (FDP) – estavam perdendo eleitores para a AfD.

Em resposta a isso, passaram a adaptar parcialmente sua agenda para satisfazer o sentimento populista em ascensão – uma tendência que, segundo a nova pesquisa, foi interrompida.

"A tentação da CDU/CSU e do FDP de seguir o populismo da AfD, imitá-lo ou pelo menos se adaptar retoricamente a ele está perdendo seu apelo eleitoral", afirmou Wolfgang Merkel, do Centro de Ciências Sociais de Berlim (WZB), que também participou do estudo.

Assim, a pesquisa conclui que o cenário partidário na Alemanha está se mostrando "significativamente mais resistente ao populismo" no ano anterior às eleições federais de 2021 do que era antes e depois das eleições de 2017.

Por outro lado, o afastamento dos centristas do populismo significa também que a AfD está cada vez mais se transformando em um partido dominado por eleitores de extrema direita.

De acordo com o estudo, 73% dos eleitores da legenda se declaram claramente ou pelo menos parcialmente populistas. Ao mesmo tempo, 56% defendem posturas ultradireitistas. Ao todo, apenas 13% dos apoiadores da AfD não defendem ideias populistas ou de extrema direita.

EK/afp/efe/ots

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados