Popularidade de Merkel atinge menor nível em cinco anos | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 02.09.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Popularidade de Merkel atinge menor nível em cinco anos

Líder alemã enfrenta dificuldades para convencer eleitores de que país irá superar a crise migratória. Enquanto índices de aprovação da chanceler federal e de seu partido caem, populistas de direita conquistam espaço.

Angela Merkel

Angela Merkel hesita em responder se vai concorrer à reeleição em 2017

A situação de Angela Merkel e seu partido, a União Democrata Cristã (CDU), permanece crítica, aponta a mais recente pesquisa de opinião Deutschland Trend (tendência na Alemanha) divulgada nesta semana. Dos cerca de mil eleitores alemães entrevistados pelo instituto Infratest dimap, apenas 45% disseram estar satisfeitos com o trabalho da chanceler federal alemã – o menor nível registrado desde 2011.

Para muitos eleitores, o foco continua sendo a segurança interna, e, apesar de os secretários do Interior da CDU terem incluído o tema na agenda política, a popularidade de Merkel e do partido continua baixa.

Propostas envolvendo restrições quanto à dupla cidadania, proibição parcial de véus islâmicos que cobrem o rosto, como a burca, maior presença policial e deportações mais rápidas foram discutidas pelos secretários do Interior da CDU em meados de agosto – tópicos que o partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD) vem defendendo há meses. Mas apesar dos esforços dos secretários do Interior, a CDU perdeu mais um ponto percentual em relação à última pesquisa, caindo para 33% na preferência dos eleitores.

Por outro lado, a AfD ganhou dois pontos percentuais, ultrapassando o Partido Verde e tornando-se a terceira maior força política no país.

Mesmo assim, a maioria dos alemães ainda confia na CDU para avançar com uma forte política de asilo e refugiados. Entretanto, para 27% da população, nenhum dos partidos políticos do país possui soluções convincentes para o problema – um número bastante elevado. Somente 7% afirmaram estar confiantes de que a AfD tem as respostas certas.

Maioria defende proibição da burca

Em seu encontro no mês passado, os secretários do Interior da CDU e da aliada União Social Cristã (CSU) concordaram sobre a proibição do uso de véu islâmico que cubra completamente rosto e corpo em lugares em que a pessoa deve ser identificável, como tribunais, escolas e manifestações.

A pesquisa Deutschland Trend mostra, no entanto, que tais medidas não vão longe o suficiente para os alemães. Um terço dos entrevistados afirmou concordar com a decisão dos secretários do Interior atue certo ponto, mas a metade deles disse querer o banimento total de vestimentas como a burca, como é o caso na França e na Bélgica. Somente 13% se opuseram a uma proibição completa.

Quarto mandato para Merkel?

Daqui a um ano, os alemães vão eleger um novo Parlamento, assim como um novo chefe de governo. Quando questionada se irá concorrer à Chancelaria Federal novamente, Merkel – no cargo desde 2005 – tem sido evasiva. Ela ocupa agora o sexto lugar na escala de popularidade entre os políticos alemães.

A evidente polarização em relação à política de refugiados se reflete na possibilidade de um novo mandato para Merkel: a maioria não gostaria de vê-la novamente como chanceler federal.

Ao menos em seu próprio partido, Merkel ainda recebe o apoio da maioria de seus correligionários, enquanto a legenda-irmã CSU tem hesitado em lhe prestar apoio. Um quarto dos sociais-cristãos se opõe a um novo mandato para Merkel. O partido chegou até mesmo a ameaçar enviar um candidato próprio à corrida à chefia de governo no ano que vem.

Além disso, as perspectivas não são as melhores para aquele que é considerado o futuro parceiro de coalizão predileto de Merkel, o Partido Verde. Segundo as sondagens, os Verdes não seriam capazes de atrair um número suficiente de eleitores.

Nada de cortar impostos

Apesar de todas as profecias apocalípticas, a situação econômica da Alemanha é boa. Há uma abundância de postos de trabalho que injetam dinheiro nos fundos de seguridade social, a receita fiscal baste recorde e registra-se até mesmo um superávit. O Infratest dimap perguntou aos alemães o que o governo deveria fazer com a receita adicional.

Para 58% dos entrevistados, o dinheiro deveria ser investido, por exemplo, na manutenção e desenvolvimento da infraestrutura. Somente 16% defenderam o corte de impostos. E 22% dos entrevistados afirmou que gostaria que o governo reduzisse a dívida pública, que soma mais de 2 trilhões de euros.

Numa simulação antes da campanha eleitoral do próximo ano, tanto o Partido Social Democrata (SPD) quanto a CDU/CSU sugeriram vários esquemas para redução de impostos. Mas isso não parece ser muito relevante para os alemães – a questão dos refugiados parece ter muito mais peso.

Leia mais